Cultura e lazer

À descoberta de Malta

9 Outubro, 2019

As suas praias de águas cristalinas e uma herança histórico-cultural muito rica fazem com que Malta seja considerada por muitos a “joia do Mediterrâneo”. Neste roteiro, parta à descoberta e deslumbre-se com esta fascinante ilha mediterrânica.


Malta, Gozo e Comino: três ilhas com História

Com 7 mil anos de História e um dos melhores climas da Europa, o arquipélago de Malta situa-se em pleno Mar Mediterrâneo, entre Itália e África. Constituído por diversas ilhas, apenas as três maiores – Malta, Gozo e Comino – estão habitadas, as restantes mantêm-se selvagens.

Malta é a maior das três ilhas e é onde está sediada a capital do país, Valletta. Reconhecida pela sua riqueza histórica, cultural e patrimonial, passear por Malta é como fazer uma viagem no tempo por diferentes culturas. Por todo o lado, poderá descobrir vestígios Árabes, Romanos ou até de civilizações ancestrais, como os Fenícios. Encontrará também diversas referências à Ordem dos Cavaleiros de São João, que por lá se estabeleceram e foram responsáveis pelo governo do país durante vários séculos, desenvolvendo a ilha e a cidade.

Ler Mais

Valletta distingue-se pelas ruas estreitas e perpendiculares e pelo seu estilo barroco, visível em qualquer canto da cidade. Nela concentra-se grande parte do património histórico-cultural do país, por isso são vários os pontos turísticos a não perder. Coloque na sua lista uma visita aos Jardins Upper Barrakka, que lhe oferecem uma vista magnífica da cidade; à Co-Catedral de S. João, uma catedral imponente onde está exposta a maior obra-prima de Caravaggio; ao Teatro Manoel, construído pelo português António Manoel de Vilhena, Grão-Mestre da Ordem dos Cavaleiros de Malta; e ao Palácio do Grão-Mestre, onde pode conhecer grande parte da História de Malta.

Outra das experiências imperdíveis neste roteiro por Malta é um passeio pelas “Três Cidades”, três famosas cidades maltesas – Vittoriosa, Cospicua e Senglea – da época da Ordem dos Cavaleiros de Malta e que constituíam a primeira linha defensiva da ilha. Faça uma viagem ao passado ao descobrir cada uma destas cidades e fique a conhecer as raízes de Malta e a sua forte ligação à vida marítima. E não dispense também uma passagem pela aldeia piscatória de Marsaxlokk, um lugar pitoresco que tem na pesca o seu modo de vida e ilustra de forma única a ligação do país ao mar.

Ainda na ilha de Malta, não pode deixar de conhecer os vestígios arqueológicos mais antigos do país: os templos pré-históricos de Ħagar Qim e Mnajdra. Estes edifícios são dois dos seis complexos de templos neolíticos existentes no país e dão a conhecer elementos do quotidiano dos primeiros habitantes de Malta, ajudando a compreender a sua história.

Gozo é a segunda maior ilha do país e é conhecida como o lado mais rural de Malta. Em Gozo comece por visitar a Cittadella e delicie-se com a paisagem única que inclui igrejas barrocas, casas rurais e fortalezas. Conheça a Basílica Ta’ Pinu, uma das igrejas mais imponentes do país, o templo megalítico Ggantija  – o único que não fica na ilha de Malta e o mais bem preservado do arquipélago -, as impressionantes salinas Salt Pans e as deslumbrantes paisagens de Wied il-Għasri – um vale fascinante onde pode fazer caminhadas e banhar-se numa pequena piscina natural entre falésias.

Já Comino é famosa pela Lagoa Azul, considerada por muitos a praia mais bonita de Malta e a principal atração desta ilha. No entanto, também as outras ilhas têm praias paradisíacas que não pode deixar de visitar, como a Golden Bay, em Malta, uma das mais conhecidas do país, e a Baía de Ramla, em Gozo, que se destaca pelos tons avermelhados, cor-de-laranja e dourados da areia. Conheça também as piscinas naturais inesquecíveis que marcam a paisagem do país, entre as quais destacamos Ghar Lapsi, com as suas águas azuis e verdes cristalinas, e St. Peter’s Pool, uma formação rochosa na ilha de Malta que acolhe águas azul-turquesa paradisíacas.

Se é fã de snorkeling, Malta é um dos principais destinos do mundo para a prática da modalidade, com as suas inúmeras falésias, grutas, cavernas, túneis e Canyons prontos a serem explorados. Não perca a oportunidade de mergulhar na Gruta Azul, em Malta, e no Buraco Azul, em Gozo, dois dos locais preferidos dos amantes de snorkeling.

Um país que respira arte

Mas nem só de praia se faz Malta como destino turístico. Este é também um país que respira arte e que possui um património artístico e cultural extremamente rico. Isto é visível em cada esquina, na arquitetura da maioria dos edifícios e na vasta oferta de museus, eventos e outros locais que evidenciam a importância da arte no arquipélago. Um dos marcos arquitetónicos do país é o próprio Parlamento, com um edifício novo e imponente desenhado pelo premiado Renzo Piano.

A mais famosa obra-prima de Caravaggio – “A Decapitação de São João Batista” – é um dos mais valiosos patrimónios artísticos de Malta e está exposta na Co-Catedral de S. João. A própria catedral tem uma riqueza interior incontestável com as suas colunas de mármore, os grandiosos frescos e as abóbadas cuidadosamente trabalhadas por grandes Mestres e ornamentada com pinturas de grandes artistas e talha dourada. Conheça também o Palácio do Grão-Mestre, em Valletta, repleto de tesouros históricos nacionais, e o Palazzo Falson, onde está exposta uma coleção de 200 pinturas de artistas como Murillo, Anthony Van Dyck ou Mattia Preti.

Para além da pintura e da arquitetura, também o cinema assume um papel de destaque em Malta, uma vez que as ilhas são bastante utilizadas para gravar diversos filmes e séries. Ao passear pelas várias ilhas do arquipélago vai poder visitar cenários que fizeram parte de filmes como “Gladiador”, “Ágora”, “WWZ: Guerra Mundial” ou até mesmo a série “Game of Thrones”. Ainda assim, a maior referência ao cinema é provavelmente a Popeye Village, um parque de atrações criado no set de filmagens do filme “Popeye”, de 1980. Agora, cada casa que o compõe pode ser visitada e há ainda uma piscina e várias atrações para as crianças.

Mdina: uma viagem no tempo

Entrar em Mdina é sinónimo de fazer uma viagem no tempo. A cidade fortificada, os muros altos, a calmaria e o silêncio levam-nos até à época Medieval numa questão de segundos, embora os vestígios árabes e romanos também estejam lá presentes. Mdina é um ponto de passagem obrigatório para qualquer pessoa que visite Malta.

Ao visitar Mdina, não se prenda apenas aos roteiros com os monumentos mais emblemáticos, viva a cidade pelo que ela é: passeie pelas suas ruas estreitas e labirínticas e desfrute da calma que reina na cidade – não é por acaso que Mdina é conhecida como a “cidade silenciosa”. Encontre um verdadeiro museu ao ar livre que, mesmo sem caracterização, é sempre um cenário de conto de fadas, de filmes medievais e de romances históricos. 

Ler Menos