pessoas e histórias

As quatro empresas portuguesas que mais investem em inovação

15 Julho, 2019

As empresas de hoje estão cada vez mais competitivas e por isso devem marcar a diferença através da inovação que colocam nos seus produtos e serviços. Conheça quatro das empresas que mais investem nesta área em Portugal.


Investir em inovação em Portugal

De acordo com um estudo divulgado pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), as empresas gastaram com despesas em inovação (Investigação e Desenvolvimento) 0,67% do PIB nacional em 2017, o que representa cerca de 1.303 milhões de euros. A verdade é que esta é uma vertente fundamental para as empresas se diferenciarem face à concorrência e Eduardo Maldonado, presidente da Agência Nacional de Inovação (ANI), partilha dessa mesma opinião: “uma empresa que não inova, estagna e nunca fica muito bem no futuro”.

Ler Mais

Altice: a empresa que mais investe em I&D

Segundo os dados publicados pela DGEEC, a Altice é a empresa privada que mais aposta em inovação em Portugal, tendo investido em 2017 mais de 86 milhões de euros. Para o CEO da operadora de telecomunicações, Alexandre Fonseca, é mais uma prova de que a Altice Portugal é consistente na sua atividade, dado que tem vindo a aumentar o seu investimento em inovação desde 2015. O Presidente Executivo revela três das posições públicas da organização, afirmando que “a inovação, o investimento e a proximidade são vetores chave que conduzem a nossa atividade. De facto, o Grupo Altice tem no seu ADN e na sua história a marca da inovação, com resultados visíveis e concretos”.

O presidente salienta ainda que a operadora tem vindo a estimular de forma significativa a inovação ao estabelecer parcerias com universidades e politécnicos e nesse sentido instalou em muitas dessas instituições laboratórios colaborativos como a Altice Labs. Esta encontra-se situada em Aveiro e já é uma referência no mercado internacional, dado que apresenta os seus produtos e soluções inovadoras em quatro continentes. Nesse sentido, a Altice Labs deverá expandir-se para Viseu, Algarve e para a Ribeira Brava. É de notar que a Altice Labs ganhou o prémio de Melhor Empresa do Ano em 2018 e a Melhor Empresa no mercado de tecnologia, media e telecomunicações.

Sonae investe mais de 100 milhões de euros

O Grupo Sonae, empresa fundada por Belmiro de Azevedo, investiu mais de 100 milhões de euros em inovação, desenvolvimento e investigação na área do retalho em 2018, tendo desenvolvido mais de mil projetos a nível mundial. O “Livro de Inovação 2018” conta com mais de 50 inovações desenvolvidas e implementadas pela empresa, entre elas a app Feedback do Cliente, a app Smart Continente ou o projeto Improve Your Game da Worten, que surgiu com o objetivo de responder ao fenómeno do gaming e levou a que as vendas desta categoria crescessem cerca de 60%. Estas inovações permitem que a empresa reforce a sua sustentabilidade, aumente as vendas, não precise de tanto tempo para os diversos processos e reduza os custos.

O Grupo Sonae conta já com uma rede de open innovation de 49 parceiros em 34 países pertencentes a quatro continentes, o que representa um crescimento de mais de 20% face aos últimos dois anos. Catarina Oliveira Fernandes, diretora de comunicação da Sonae, defende que a diversidade e a multidisciplinaridade são a chave para a inovação e por esse mesmo motivo salienta que a organização procura “estabelecer parcerias que potenciam a nossa capacidade de inovar, estimulando a partilha do conhecimento e o desenvolvimento de iniciativas por via de cooperação em rede”. Aliás, a diretora realça que esta estratégia tem vindo a beneficiar não só a especialização das equipas, como também as oportunidades de crescimento de negócio na área do retalho, que fizeram com que o grupo se mantivesse líder no último ano.

Bial: a farmacêutica que investe cerca de 50 milhões de euros por ano

A Bial investiu 54 milhões de euros em Investigação e Desenvolvimento (I&D) em 2018, sendo que durante as últimas duas décadas a farmacêutica fundada por António Portela conseguiu atingir mais de 20% em termos de faturação com o programa de I&D. Aliás, em 2016 a Bial conquistou o título de empresa que mais investe em inovação no ranking das Star Company. De acordo com o CEO, existem apenas 27 empresas europeias que nos últimos dez anos trouxeram ao mercado medicamentos inovadores e a Bial é uma delas. Por exemplo, a empresa desenvolveu o Zebinix, medicamento destinado para doentes epiléticos e o Ongentys com o propósito de curar doentes com Parkinson. António Portela relembra que o objetivo passa por “expandir a comercialização dos medicamentos e assim contribuir para a saúde e para a vida de todas as pessoas”.

Hovione: 220 técnicos e cientistas a trabalhar em inovação

O grupo farmacêutico Hovione disponibilizou cerca de cinco milhões de euros às universidades e a centros de investigação de forma a desenvolver projetos inovadores no seio da organização. O programa, intitulado de 9ºW, tem como objetivo solucionar desafios com os quais a empresa lida diariamente, sendo que a sua principal missão passa por desenvolver novos processos químicos e produzir princípios ativos para a indústria farmacêutica a nível mundial. Além disso, este programa também permite formar analistas químicos de forma a que estes se mantenham na empresa a longo prazo. É importante referir que é em Portugal que a empresa detém as suas atividades de investigação e desenvolvimento, estando a trabalhar neste polo cerca de 220 técnicos e cientistas.

Ler Menos