Economia Pessoal

O que fazer com o reembolso do IRS?

10 Julho, 2019

Agora que a maioria dos contribuintes portugueses já recebeu os seus reembolsos de IRS, muitos perguntam-se o que fazer com esse valor. A melhor solução vai depender da situação e das prioridades de cada agregado familiar, mas temos 5 sugestões que podem ajudá-lo a tirar o melhor partido desse dinheiro extra.


Média dos reembolsos do IRS em 2019 acima dos 1.000 euros

De acordo com os últimos dados revelados pelo Ministério das Finanças, este ano a média dos reembolsos do IRS está nos 1.061 euros por cada família, um valor significativo que subiu em relação aos anos anteriores. Independentemente de o seu reembolso ser superior ou inferior, vale sempre a pena considerar o que fazer com este dinheiro extra. Em vez de se “perder” nos gastos do dia a dia, veja as nossas dicas para tornar o seu reembolso uma mais-valia para todo o agregado.

Ler Mais

Ter um fundo de emergência

Para os contribuintes que ainda não dispõem de um fundo de emergência, a chegada do reembolso do IRS pode ser o momento ideal para criar um. Para os que já têm, o reembolso pode servir para o reforçar e assim estar mais prevenido para os imprevistos que venham a surgir. Lembre-se que os especialistas recomendam que tenha entre 6 meses a um ano de salários para emergências. Quer opte por usar a totalidade do valor reembolsado ou apenas parte dele, ter uma “almofada financeira” pode significar a capacidade de enfrentar, de forma confortável e sem comprometer o orçamento familiar, situações como o desemprego ou baixas médicas prolongadas.

Saldar dívidas ou amortizar créditos

A estabilidade do orçamento familiar deve ser uma prioridade. Nas situações em que o agregado familiar tem vários créditos ou sente de alguma forma dificuldades em pagar todas as despesas mensais, o reembolso do IRS pode servir para saldar ou amortizar algumas das dívidas a fim de evitar o sobre-endividamento. Analise as suas dívidas e empréstimos e comece por usar o reembolso do IRS nas que têm as taxas de juro mais elevadas. Normalmente os cartões de crédito e os créditos ao consumo e pessoais são os que praticam juros mais elevados, mas cada caso é um caso.

Depósitos a prazo: poupança com capital garantido

Se procura soluções para investir o reembolso de IRS mas não quer arriscar perder o seu dinheiro, os depósitos a prazo são o produto ideal para si. Este é o instrumento financeiro que tem menos riscos para os consumidores uma vez que é de capital garantido e mesmo no pior cenário –  a falência da instituição bancária –  os depósitos até 100 mil euros por titular estão protegidos pelo fundo de garantia de depósitos. Apesar de, atualmente, a média das taxas de juro dos depósitos a prazo estar em valores relativamente baixos, existem no mercado nacional vários produtos disponíveis e alguns oferecem remunerações acima da média de 0,13% identificada pelo BCE. É o caso dos depósitos a prazo do Banco Finantia.

PPRs: a pensar na reforma

Se já tem 30 anos está na altura de começar a pensar na sua reforma. Se já tem mais idade já o devia ter feito. A reforma traz consigo um corte no rendimento mensal e isso pode causar situações complicados para quem não acautelar essa situação. É por isso que pode pensar em investir o seu reembolso de IRS num Plano Poupança Reforma (PPR). Existem dois tipos de PPRs – fundos e seguros – e cada tipo tem um funcionamento diferente, pelo que é importante informar-se bem sobre as suas condições. Lembre-se, no entanto, que os PPRs têm um risco diferente dos depósitos a prazo e não podem ser resgatados antes dos 60 anos de idade, sob pena de ter de reembolsar as compensações fiscais de que beneficiar ao longo dos anos.

Produtos financeiros para quem quer arriscar

Se está numa posição financeira confortável, tem um orçamento estável e poupanças robustas, este pode ser o momento de arriscar e dar ao seu reembolso de IRS um destino diferente. Informe-se bem sobre outro tipo de produtos financeiros, onde os riscos de perda de capital existem, mas também há a hipótese de ganhos mais avultados. Veja como funcionam os fundos de investimento, as obrigações ou até as ações e perceba se algum destes produtos lhe agrada para tentar ter uma maior rentabilidade com o seu reembolso do IRS.

Ler Menos