Cultura e lazer

Cinco wine bars em Lisboa e no Porto onde também pode petiscar!

3 Janeiro, 2019

As vindimas podem já ter terminado, mas o roteiro pela degustação de vinhos continua. Apresentamos-lhe cinco wine bars em Lisboa e no Porto para desfrutar dos melhores tintos, brancos, rosés e espumantes, sempre acompanhados dos melhores petiscos.


Lisbon Winery: A casa dos pequenos produtores portugueses em Lisboa

No Bairro Alto, o Lisbon Winery é a casa dos pequenos produtores de vinhos nacionais. Neste espaço intimista e despretensioso, em pleno coração de Lisboa, tem à sua espera mais de cem vinhos de produção nacional, quase todos servidos a copo. E qualquer que seja a sua região vinícola preferida, encontra-a aqui, ilhas incluídas. Escolha uma das mesas forradas com as caixas de vinho dos produtores e com vista para a recuperada cisterna do século XVI, património arqueológico da cidade, para degustar de uma seleção de brancos, tintos, rosés, moscatéis e vinho do Porto.

Ler Mais

Num bar de vinhos bem português, o néctar dos deuses só poderia vir acompanhado de petiscos bem tradicionais. Há compotas caseiras, conservas, saladas, enchidos, charcutaria gourmet, queijos artesanais e, claro, presunto de pata negra no mínimo com 36 meses de cura. Tudo produtos artesanais portugueses. De terça a domingo, pode testar o palato com copos de vinho que vão desde os 4 aos 45 euros (este é preço de um cálice de vinho do Porto branco com mais de 50 anos). Às 15h30 há provas de vinhos premium que necessitam de reserva: durante duas horas poderá degustar vários vinhos enquanto ouve as explicações de escanções profissionais.

Capela incomum: um wine bar inesperado no Porto

Não é por acaso que o wine bar Capela incomum, no Porto, tem este nome. Este bar de vinhos nasceu num espaço que em tempos já foi uma capela construída no século XIX. E embora não celebrem ritos religiosos, nasceu aqui em 2016 o culto do vinho. Curiosamente, este pode bem ser o único bar do país cujos tetos têm vitrais e uma das salas guarda um altar em madeira com relevos de cenas religiosas. No entanto, nas paredes vermelhas – cor invulgar numa capela – os quadros de figuras religiosas foram substituídos por fotografias das vindimas a preto e branco.

A carta do Capela incomum é composta por cerca 80 vinhos verdes, brancos, tintos, verdes tintos, rosés, espumantes e vinho do Porto, todos de origem nacional.  Há vinhos servidos a copo entre os 3€ e os 4,5€ e garrafas entre os 10€ e os 50€. A mais cara é Carvalhas Tinta Francisca. Fora da carta existem mais 12 sugestões de pequenos produtores que nem sempre estão disponíveis devido à produção reduzida. A acompanhá-los estão, claro, os maravilhosos petiscos. A não perder há uma variante de morcela, queijo chèvre e framboesa, um queijo de cabra no forno com mel e alecrim, bruschettas, tábuas de queijos e enchidos, queijo da serra com noz e morcelas e chouriças que se assam nas mesas de cada cliente. Um regalo para os mais gulosos!

The Wine Cellar: Um espaço pequeno que guarda grandes vinhos em Lisboa

O Wine Cellar pode ter apenas 30 metros quadrados, mas já é uma referência incontornável para os amantes de vinho que vão passear até uma das zonas mais frequentadas da capital, o Cais de Sodré. Neste bar de vinhos e restaurante, com capacidade para 30 pessoas, estão disponíveis mais de 250 referências de vinho, entre brancos, tintos, verdes, rosés, espumantes, moscatéis e Porto. Cerca de cem são servidos a copo e há opções para todos os bolsos: o Pedra Cancela, em branco ou tinto, custa apenas 3€ e o Pera Manca, 80€. Já uma garrafa de Real Companhia Velha Vintage de 1938 pode chegar aos 1.700 euros.

Durante o dia o espaço serve refeições e há sempre um menu do dia a preços mais acessíveis. Da ementa fazem parte alguns pratos bem tradicionais da cozinha portuguesa como a coxa de pato confitada com batata assada ou o lombo de bacalhau com crosta de broa de milho. Para os que preferem petiscar também não faltam opções como as tábuas de queijos e enchidos, saladas e tapas. A partir das 23h00 o vinho e os petiscos são acompanhados de música ambiente. Se é amante de bons vinhos e da boa comida portuguesa, não pode deixar de visitar o Wine Cellar.

Páteo das Flores: o surpreendente encontro entre o moderno e o tradicional no Porto

É num edifício do século XVIII, a antiga Casa dos Constantinos, e em pleno centro histórico do Porto que fica o wine bar Páteo das Flores. Composto por três salas,impera um ambiente requintado mas descontraído, que convida a saborear as mais de cem referências de vinho nacionais disponíveis. É justamente no páteo – ou saguão – que melhor se percebe esta fusão entre modernidade e tradição. Coberto por uma estrutura de vidro que deixa entrar a luz natural, poderá sentar-se numa das onze mesas com tampos de madeira feitos a partir do corte de árvores e observar o graffiti dos artistas Thirds & Mots numa parede com dez metros.

Se a sua perdição são os vinhos da região do Douro, este é o wine bar que tem de incluir na sua lista de lugares obrigatórios no Porto. Cerca de 65% da carta de vinhos apresentada são desta região, mas o resto do país não foi esquecido. Há brancos tintos, rosés, Portos, Madeiras e vindimas tardias e dezasseis das cerca de cem referências são vendidas a copo. A única presença estrangeira é uma pequena lista de champanhes não comerciais franceses. Não faltam também os petiscos. Há chips de batata doce, peixinhos da horta, tábuas de enchidos e queijos, folhado de alheira com grelos e maçã reineta, entre tantos outros. Mas se gosta de refeições à seria, também as há. Prove o costelão de boi maturado com arroz e grelos – a carne é nacional e é maturada durante 40 dias.

Wine not?: Onde os vinhos da casa Ermelinda de Freitas são estrelas

O Wine not? surgiu no Chiado – no espaço onde funcionava o restaurante New Black – e é fruto de uma parceria entre os donos do restaurante e a Casa Ermelinda de Freitas, a produtora de vinhos da zona de Palmela. Neste bar de vinhos, que funciona também como garrafeira, servem-se apenas os vinhos da marca: aqui pode degustar um copo de Dona Ermelinda branco ou tinto, um Terras de Pó rosé ou um espumante. Enquanto espera pelos pimentos Padrón, os croquetes de novilho, o torricado de bacalhau, os ovos mexidos com espargos ou as tábuas de queijos e enchidos, aproveite para apreciar alguns pormenores da decoração como os barris no teto junto ao bar e o enorme lustre composto por quinhentas garrafas. No final não podem faltar as famosas tortas de Azeitão.

 

Ler Menos