Saúde

Dicas para comer bem no local de trabalho

4 Dezembro, 2018

Comer bem no local de trabalho, nos dias de hoje, pode parecer uma missão impossível, mas não é. Para conseguir ter uma alimentação saudável todos os dias e melhorar a sua saúde tem apenas que seguir as nossas dicas.


A hora de almoço é sagrada, o que se come não

Cinquenta e oito minutos é o tempo médio que um português tem de almoço e isto coloca-nos no topo da lista dos países europeus que mais tempo têm para almoçar, segundo um estudo do YouGov Plc com participantes de 9 países. No entanto, o facto de demorarmos mais tempo a comer não significa que façamos uma melhor alimentação. No mesmo estudo, um em cada quatro cidadãos nacionais admitem fazer a mesma refeição todos os dias, sendo as sanduíches feitas em casa o almoço mais popular para 33%.

Ler Mais

Como se estes dados não fossem por si só preocupantes, 17% continuam a comer à secretária, 22% continuam a trabalhar enquanto almoçam e há ainda uma pequena percentagem, 3%, que revela não almoçar devido ao excesso de trabalho. Uma boa alimentação continua, assim, a ser desvalorizada por muitos e quem paga é a sua saúde física e mental. Ter uma boa alimentação todos dias é fundamental para evitar problemas cada vez mais habituais como o colesterol, a hipertensão ou doenças do foro psicológico como o burnout.

Porque a falta de tempo, o cansaço e a falta de ideias são alguns dos motivos mais frequentemente apresentados como desculpas para almoços menos saudáveis, trazemos-lhe várias dicas que pode implementar na sua rotina e que o vão ajudar a comer melhor mesmo no local de trabalho.

O pequeno-almoço é mesmo a refeição mais importante do dia

 Sabemos que já o ouviu inúmeras vezes, mas é mesmo verdade: o pequeno-almoço é a refeição mais importante do dia. Depois de várias horas sem comer, esta é a refeição que o vai deixar pronto para enfrentar uma manhã de trabalho. Seja por falta de tempo ou por não acordar com muita fome, muitas pessoas continuam a saltar esta refeição ou a comer qualquer coisa no caminho. No entanto este é o pior erro que está a cometer. Se for preciso, durma menos cinco minutos, mas tome um bom pequeno-almoço em casa.

Organização é a palavra de ordem

Comece por organizar o seu espaço de trabalho. Se tem o hábito de ter guloseimas ou salgados sempre por perto, na secretária, no frigorífico ou num armário, está na altura de se ver livre deles. Não são esses alimentos que lhe vão saciar a fome, só prejudicam a sua saúde e em nada contribuem para um bom desempenho profissional. Substitua-os por alimentos saudáveis: fruta, cenouras cortadas aos palitos, frutos secos, granolas, ou outros cereais, etc. Tenha, contudo, atenção aos rótulos dos alimentos por vezes pensamos que estamos a escolher um alimento saudável e não é o caso.

Se tem um horário fixo, o próximo passo é ainda mais fácil: organizar as suas refeições de acordo com a estrutura do dia que sabe ter disponível. Saber quando e onde vão ser as reuniões, se tudo está dentro dos prazos previstos, qual vai ser o horário para as refeições, são tudo coisas que pode antecipar e que lhe permitem definir tempos no meio das atividades do dia a dia para se alimentar corretamente. Lembre-se que não almoçar não é opção para quem quer ter uma alimentação saudável. Além disso, uma pausa ao meio do dia de trabalho é fundamental para manter os níveis de atenção e produtividade.

Planear as refeições antecipadamente

 Ao início até pode parece-lhe chato ter que dedicar umas horas do fim de semana a pensar na ementa mais adequada para a próxima semana de trabalho, mas já pensou que assim evita ter que se perguntar todos os dias “O que é que faço hoje para o jantar?”. Pois é, o ideal é definir no fim de semana as melhores refeições, rápidas e saudáveis, que pode fazer para levar no dia seguinte. Assim, evita comer sandes, fast-food ou passar pelo café para petiscar qualquer coisa. Antes de se deitar, lembre-se de deixar todos os alimentos guardados nos respetivos recipientes para que de manhã não ceda à tentação de agarrar no primeiro pacote de bolachas que vir.

Não precisa de seguir essa programação à risca. Se a meio da semana não lhe apetecer fazer algum dos pratos que definiu, pode alterá-lo à vontade. O importante é que tenha uma ideia geral das refeições que vai fazer, para não comer demasiadas vezes carne com arroz ou massa e incluir mais vegetais, frutas e legumes no seu dia. Fazer este planeamento também vai ajudar a poupar nas compras. Quando for ao supermercado já tem uma ideia do que precisa realmente comprar. Antecipar e preparar com tempo as suas refeições é fundamental para quem quer ter uma alimentação saudável no local de trabalho.

Os pequenos gestos que também contam

 E porque nem só das refeições principais é feita a nossa alimentação diária, é preciso não descurar o que petisca. Comer entre refeições é importante, mas também é muitas vezes nesta altura que acabamos por abusar de doces e salgados. É por isso que deve ter perto de si alguns snacks que satisfaçam esse desejo, mas sejam mais saudáveis do que umas bolachas ou batatas fritas.

Está a perguntar-se o que pode levar para substituir as tais guloseimas? A nutricionista e autora do blog “Põe-te na linha” Mara Gama tem alguns alimentos que não dispensa quando está no trabalho: frutos secos como nozes, amêndoas e avelãs, em quantidades moderadas, que ajudam a saciar e podem ser misturados com outro alimento que não pode faltar, o iogurte natural. Granola, de preferência caseira, flocos de aveia, fruta fresca, vegetais, sementes e ovo cozido são alguns dos outros alimentos que recomenda.

Além disso, beba água. Muitas pessoas esquecem-se de como a água é importante numa alimentação saudável e é fundamental para evitar problemas nos rins.Ter uma lista de restaurantes com opções saudáveis para os dias em que apetece ou é mesmo necessário ir almoçar fora é também uma boa estratégia. E por último, se trabalha todo o dia sentado, aproveite a hora de almoço para fazer uma caminhada. Mesmo que por apenas algumas minutos, caminhar vai ajudá-lo a fazer melhor a digestão e a diminuir os nível de stress e ansiedade.

Ler Menos