Economia Pessoal

Gás, vitrocerâmica ou indução: qual a melhor placa para si?

3 Outubro, 2018

No que toca aos cozinhados, prefere poupar na fatura da luz, não perder tempo com limpezas ou evitar gastar dinheiro em tachos novos? A sua resposta influenciará a compra de uma placa a gás, de vitrocerâmica ou de indução.  


Placa de fogão: o que ter em conta antes de comprar 

Está decidido a investir numa nova placa de fogão aí para casa? Então a primeira coisa a ter em consideração é o tipo de fornecimento de energia que tem ou quer ter: isto é, pode optar por gás ou elétrica. Outro aspeto importante é o número de bocas que vai precisar. Serão quatro suficientes ou precisa de cinco ou seis, tendo em conta que gosta de cozinhar e tem uma família grande? Se preferir uma placa de encastrar a uma de pousar, só precisa de ter em conta o tamanho do recorte da bancada, caso contrário terá de chamar um carpinteiro para a serrar. E lembre-se: acertar na escolha da placa pode significar poupar tempo e dinheiro!

A placa perfeita para quem gosta de ter controlo nos cozinhados

As placas a gás são as mais tradicionais e há quem diga mesmo que cozinhar numa é muito diferente de cozinhar numa placa elétrica de indução ou vitrocerâmica porque a comida fica mais saborosa. Porém, talvez a diferença se cinja à sua forma de funcionar: como permitem regular a intensidade da chama, conseguirá controlar o calor e a temperatura dos cozinhados mais facilmente do que nas placas elétricas. E embora seja uma escolha mais amiga do ambiente, uma placa a gás tem a grande desvantagem de precisar de ser instalada por um profissional, o que se traduz em custos extra.

A placa perfeita para quem quer poupar

Ler Mais

Poupar é a sua prioridade? Então, a verdade é que a nesse aspeto a placa a gás é mesmo a melhor opção, porque o gás é significativamente mais barato que a eletricidade. E dizemos-lhe mais: além de poupar dinheiro também poupará tempo porque este tipo de placa permite preparar uma refeição num instante, ao aquecer muito rápido.

Caso queira mesmo optar por uma placa elétrica, então escolha uma placa de indução: a sua tecnologia state of the art faz com que o seu preço de aquisição seja muito elevado mas como aquecem muito, muito depressa gasta menos 40% de energia do que com uma placa vitrocerâmica que demora bastante tempo a atingir o ponto de aquecimento desejado, consumindo assim muita energia!

A placa perfeita para quem quer uma limpeza fácil

Gosta de cozinhar, mas a limpeza da placa é uma preocupação para si? Ou simplesmente prefere uma placa de fácil manutenção? Ora, então adquirir placa de gás está fora de questão: estas requerem uma limpeza mais a fundo e frequente para evitar que os queimadores fiquem obstruídos. Algo que não acontece numa placa de indução ou vitrocerâmica.

É que as placas de vitrocerâmica e de indução, além de terem um aspeto moderno e atraente na bancada e serem fáceis de instalar, são também fáceis de limpar. No caso de uma placa de vitrocerâmica basta utilizar um pano húmido e um raspador para resíduos incrustados e com uma placa de indução o processo ainda é mais fácil: como a placa nem sequer aquece, basta passar um pano macio e já está! Isto também faz delas uma opção mais segura para quem tem crianças em casa e até para todos porque se desligam sozinhas.

A placa perfeita para quem não se quer preocupar com o tipo de panelas

Se pretende comprar uma placa mas não quer gastar dinheiro num novo trem de cozinha terá de optar por uma placa a gás ou de vitrocerâmica: em qualquer uma delas pode cozinhar com qualquer tipo de recipiente – panela, frigideira e por aí fora – quer seja de ferro, alumínio ou inox. Como vantagem, as placas a gás e de indução também têm um preço mais acessível no mercado.

Já as placas de indução, como geram um campo magnético através do uso de potentes ímanes que só se ativam quando entram em contacto com um recipiente de fundo ferromagnético, isso significa que terá de comprar um conjunto de panelas de cozinha compatível ou então a placa não funcionará de todo! E um trem de cozinha deste tipo não é barato…

A placa perfeita para quem não tem problemas de saúde!

Sabia que quem tem um pacemaker não se deve aproximar das placas de indução em funcionamento, precisamente porque geram um campo magnético? Sim, de acordo com a Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores, a DECO, os manuais de instruções aconselham este tipo de consumidores a consultarem um médico antes de adquirir uma placa de indução, embora os equipamentos respeitem as diretrizes de segurança e compatibilidade eletromagnética. Se for o seu caso, optar por uma placa a gás ou de vitrocerâmica pode ser uma solução mais segura.

Ler Menos