Cultura e lazer

Um roteiro imperdível pela EN2, a Route 66 Portuguesa

28 Setembro, 2018

Quem decide percorrer a Estrada Nacional 2, a route 66 portuguesa, tem pela frente as vinhas do Douro, as planícies alentejanas e por fim as praias algarvias. Aceita o desafio?


De Chaves a Faro pela Route 66

Sabia que partindo de Chaves pela Estrada Nacional 2 (EN2) pode ir até Faro, qual route 66 mas à portuguesa? É verdade. O percurso de 738 quilómetros liga o Norte ao Sul do país e contempla uma passagem por 11 distritos, 32 concelhos, 4 serras e 11 rios. Aceite o desafio de a atravessar de carro, de ponta a ponta, que nós indicamos-lhe o melhor caminho!

Um roteiro cultural e gastronómico em 3 etapas 

Ler Mais

Foram os 3.940 quilómetros da famosa Route 66 nos EUA que serviram de inspiração a Jack Kerouac quando escreveu o livro On the Road e a tantas outras referências culturais, da literatura à música. E embora a “route 66 portuguesa” perca em extensão, atrevemo-nos a dizer que ganha por certo em pequenas localidades, paisagens deslumbrantes e sítios onde se pode comer e chorar por mais.

Esta é uma viagem que pode ser dividida em três etapas. A primeira, dando assim início à sua viagem, começa por Chaves e tem como primeiro ponto de paragem, Coimbra. A partir daí trace Évora, passando por Pedrógão, Abrantes e Ponte de Sor. Na última fase desta aventura, rume até ao Algarve e aproveite o bom clima para descansar uns dias à beira-mar e acabar a viagem em grande.

Etapa 1 – De Chaves a Coimbra

Pela Nacional 2, 259 quilómetros separam Chaves de Coimbra. E é precisamente essa a distância que vai ter de percorrer para concluir a primeira etapa pela route 66 portuguesa: inicie a viagem na ponte romana sobre o rio Tâmega em Chaves e faça-se ao caminho. Por terras transmontanas, reparará que a estrada abre caminho serpenteado-se por entre as montanhas que compõem a paisagem.

Coimbra

E se a beleza de Vila Real chamará a sua atenção, nem sabemos o que dizer dos socalcos de vinhas que se sucedem pelo Alto Douro até ao Peso da Régua. Mais à frente depara-se com um Portugal cheio de contrastes: Lamego, Viseu, Tondela e Santa Comba Dão têm como imagem de marca a terra e o granito, já a partir daqui inicia-se um país mais verde, arborizado com as passagens por Penacova, Vila Nova de Poiares, Vila Nova do Ceira e Góis.

Está quase, quase a chegar a Coimbra! Por lá aproveite para restabelecer forças comendo algo típico numa das tabernas ou tasquinhas reavivadas da cidade. A nossa sugestão é que pernoite na cidade dos estudantes, porque uma boa noite de sono é fundamental para enfrentar os muitos quilómetros que ainda lhe faltam percorrer!

Etapa 2 – Coimbra a Évora

Eis que chega um novo dia e com ele uma nova etapa. A partir deste ponto e com Pedrógão como destino chegamos à zona do Pinhal e das grandes albufeiras, como é o caso da do Cabril. Por esta altura é hora de fazer uma paragem obrigatória: estamos a falar do alto da Serra do Açor, onde terá acesso a uma vista deslumbrante e que lhe ficará para sempre na memória.

E dizemos-lhe mais! A caminho de Pedrógão Pequeno ainda vai deparar-se com outro ponto de beleza sem igual, ao cruzar-se com o Rio Zêzere pela Barragem do Cabril. À medida que vai avançando cada vez mais para Sul reparará que são os eucaliptos que começam a caracterizar a paisagem e a região e que para trás vão ficando as Beiras, dando lugar então ao acolhedor Ribatejo.

Évora

Antes de chegar à fase final desta etapa, faça uma paragem obrigatória em Abrantes para almoçar: o restaurante O Ramiro, por exemplo, tem especialidades que prometem repor energia, como a alheira com todos e o cozido à portuguesa. Uma vez recuperado, siga caminho por Ponte de Sor, seguida das magníficas planícies alentejanas e encontrará uma estrada reta que o conduz diretamente até Évora.

E 130 quilómetros depois, é hora de descansar… no M’AR De AR Muralhas! Caso não conheça, este é um hotel bastante requintado e charmoso, localizado privilegiadamente no coração histórico da cidade de Évora, e que promete conquistá-lo pelo estômago, com os pratos alentejanos assinados pelo chef António Nobre, e pela alma, com os seus tratamentos de Spa. Fica a dica!

Etapa 3 – Évora ao Algarve 

A aventura pela “route 66 portuguesa” está quase a terminar! Mas não sem antes passar por Castro Verde, Almodôvar, São Brás de Alportel e claro, pela inesquecível Serra do Caldeirão. Acabamos como começamos, curva atrás de curva, e este é um ponto para ser vivido e saboreado sem pressas, como fazem as suas gentes! Cerca de 32 quilómetros depois, precisamente ao quilómetro 738, chega à sua meta: Faro! Agora, é hora de passear e conhecer a capital da região do Algarve como deve ser: aproveite para conhecer as ilhas de Faro, as suas praias de areias fina com águas translúcidas a uma temperatura amena, passear pela Cidade Velha e provar iguarias típicas como as ostras.

Faro

Quando ir? E por quanto tempo?

Se ficou decidido a fazer sua a aventura de atravessar Portugal de lés-a-lés através da route 66 portuguesa, a EN2, aconselhamos que se faça à estrada por altura da Primavera ou por volta do Outono, quando as temperaturas são mais amenas. Assim desfrutará de uma viagem mais agradável.

E quanto tempo pode levar? Bom, se quer encarar este trajeto como uma viagem também cultural e gastronómica, deve dedicar-lhe algum tempo: demore-se pelo menos um dia entre as diferentes etapas que delineámos e guarde uns dias para descansar quando chegar à meta, para relaxar como manda a lei! 

Ler Menos