Economia Pessoal

Comprar carro elétrico: será um bom investimento?

16 Julho, 2018

Está a equacionar se vale a pena comprar um carro elétrico? Antes de decidir, saiba mais sobre os preços, a autonomia e os incentivos à compra de veículos elétricos.


Um mundo onde predominam os carros elétricos ao virar da esquina

Num mundo em que o crescimento económico sustentável e a proteção do ambiente são imperativos para assegurar a continuidade das gerações seguintes… mais do que uma tendência, os carros elétricos são uma certeza! Mas comprar um carro elétrico é ou não um bom investimento?

1. Os carros elétricos são mais caros?

Ler Mais

Ao que tudo indica, os carros elétricos vieram mesmo para ficar: só em 2017 foram comercializados 1.640 veículos movidos apenas a bateria, o que se traduz num aumento de 116,9%, revela a Associação Automóvel de Portugal (ACAP). A explicação? Uma maior consciencialização das pessoas sobre a importância de ter um carro mais amigo do ambiente.

Mas embora as vendas tenham duplicado, o preço ainda é um entrave: o custo de aquisição de um carro elétrico é superior ao de um carro a gasóleo ou a gasolina. No entanto isto pode vir a mudar com os avanços tecnológicos e a produção em maior escala de motores totalmente elétricos em vez dos tradicionais de combustão interna.

O preço das matérias-primas – como o cobre, alumínio, níquel e o lítio – também pesa bastante na equação. E isto torna-se palpável sobretudo quando nos apercebemos que os carros elétricos precisam de 138 quilos de cobre, isto é, 3 vezes mais do que os carros convencionais, tanto para a sua composição como para os pontos de recarga.

2. Baterias: poupança, mas a longo prazo

Os modelos mais comuns de carros elétricos têm uma autonomia que varia entre os 150 e os 300 quilómetros – o que os torna perfeitos para a cidade! É claro que a autonomia depende de fatores como o estilo de condução, tipo de trajeto e a temperatura, mas uma coisa é certa: se quiser fazer uma viagem do Algarve ao Porto ou tem uma bateria suplente ou a garantia de poder fazer carregamentos pelo caminho.

Outra questão que pesa muito na decisão de comprar um carro elétrico prende-se com a durabilidade da bateria. A verdade é que as baterias têm um tempo de vida útil relativamente curto – devido em parte aos carregamentos em excesso e às descargas completas – e o elevado preço da mudança não joga a seu favor, se pensar a curto prazo.

Já a longo prazo há boas notícias: a grande vantagem de alguns modelos de carros elétricos é que permitem gastar em média 1,5 euros a cada 100 quilómetros. Além disso, com um carro elétrico acabaram-se as despesas com as mudanças de óleo e as preocupações com o desgaste de peças como a embraiagem – que o carro elétrico não tem!

3. Seguro automóvel: não fica a perder se comprar um carro elétrico!

Contratar o seguro de um carro elétrico sairá mais em conta? É mais caro? Ou pouca diferença faz? De acordo os dados recolhidos pelo Observador, que abrangeu sete seguradoras diferentes e dois modelos semelhantes da mesma marca – um elétrico e outro disponível tanto a gasolina como a gasóleo, a rondarem os cerca de 20 mil euros -, é ela por ela!

Isto é, os carros elétricos conseguem boas coberturas e valores competitivos comparativamente a um a gasóleo ou a gasolina. E em algumas seguradoras até sairá a ganhar no valor do prémio, porque privilegiam a utilização tipicamente mais calma do modelo alimentado por baterias.

4. Os carros elétricos são mais seguros?

Para circularem na estrada, tal como acontece com os carros a gasolina ou a gasóleo, os carros elétricos precisam de cumprir normas de segurança específicas. No entanto, a sua configuração pode oferecer um extra em termos de segurança: os veículos elétricos são mais pesados por causa das baterias e está provado que nos veículos mais pesados o risco de lesões para os ocupantes é inferior ao dos mais leves.

5. Os entraves da forma de carregamento

Com um carro elétrico não pode simplesmente dirigir-se à bomba mais próxima e “atestar”. Para recarregá-lo, é preciso instalar um carregador na sua garagem, ou noutro espaço livre, ou terá de se deslocar até um posto de carregamento público.

E o problema é que o sistema atual de carregamento de carros elétricos ainda está aquém do esperado: embora a União Europeia recomende a existência de um ponto de recarga por cada 10 veículos, em Portugal os postos de recarregamento são poucos, sobretudo na região interior do país.

Já para não falar noutras condicionantes: por vezes os cabos são roubados devido ao cobre, o equipamento é danificado por condutores pouco responsáveis e o tempo de carga de um veículo elétrico é superior ao do abastecimento de um automóvel a gasóleo ou gasolina. Sim, carregar um carro elétrico pode levar cerca de 30 minutos!

6. Menos poluição sonora

Os motores dos carros elétricos são muito silenciosos e isso significa que a poluição sonora a que estamos habituados nas estradas poderá diminuir bastante. Para a nossa saúde, são boas notícias, já que a poluição sonora pode aumentar o stress, perturbar o sono e até conduzir a problemas cardíacos.

7. Transporte mais amigo do ambiente

A queima de combustíveis fósseis nos transportes de mobilidade convencional é o principal responsável pela emissão de gases com efeitos de estufa. Só em Portugal, 23% das emissões nocivas para a atmosfera resultam dos transportes, isto é, estão relacionadas com a mobilidade das populações. Ora, a crescente utilização dos veículos elétricos poderá alterar este cenário preocupante e atenuar as consequências devastadoras das alterações climáticas.

8. Os incentivos do Governo para a compra de carros elétricos

O conceito de mobilidade sustentável visa a crescente utilização de meios de transporte que consumam menos energia e que, em simultâneo, produzam menos poluição por quilómetro percorrido. A ideia por detrás disto assenta num modelo de organização do transporte humano com o mínimo impacto ambiental possível, de forma “a satisfazer as necessidades da geração atual sem comprometer as gerações futuras”, pode ler-se no relatório da ONU “Our Common Future”.

Em sintonia com este conceito, o Governo português atribui desde 2017 um cheque de 2.250 euros às primeiras 1.000 pessoas que decidam comprar um carro novo 100% elétrico. Incentivo esse que se vai manter no ano de 2018, mas sem a obrigatoriedade da entrega de um veículo com mais de 10 anos. Além disso, o Governo expandiu a rede de postos de carregamento público rápido para 51 postos e aumentou a rede privada de carregamento.

E dizemos-lhe mais. Os carros elétricos também estão isentos de algumas obrigações fiscais: por exemplo, os proprietários estão dispensados do pagamento de Imposto sobre Veículos (ISV) e beneficiam de um baixo Imposto Único de Circulação (IUC)! Para além destes incentivos governamentais, há marcas que, por sua conta, dão alguns benefícios extra, de forma a cativar mais clientes para o mercado dos automóveis elétricos.

 

Ler Menos