Saúde

Colesterol bom VS Colesterol mau: está nas suas mãos ganhar a batalha!

5 Julho, 2018

Cerca de 69% dos portugueses apresentam valores de colesterol total iguais ou superiores a 190 mg/dl quando o recomendado é estar abaixo… Sabe porquê?


Colesterol: o que é?

O nosso corpo produz colesterol: 75% do total desta substância é fabricada pelo fígado e outras células e o restante resulta dos alimentos que ingerimos. E ao contrário do que possa pensar, é bastante importante para a nossa saúde: o colesterol é fundamental para a produção de vitamina D, que aumenta a absorção intestinal do cálcio e tem um papel importante na regulação do humor, de membranas celulares e de ácidos biliares que auxiliam a digestão.

Contudo, saiba que o colesterol divide-se em duas categorias, o “bom colesterol” e o “mau colesterol”. E é importante que saiba isto porque quando os seus níveis estão elevados – tanto de LDL como de colesterol total, que deve situar-se abaixo dos 190 mg/dl – pode ter problemas de saúde graves. Sim, colesterol elevado é sinónimo de aumento do risco de sofrer de doença coronária, enfarte do miocárdio ou Acidente Vascular Cerebral (AVC).

HDL e LDL: o lado “bom” e “mau” do colesterol

Ler Mais

O HDL corresponde ao colesterol “bom” e o LDL ao colesterol “mau”. Porquê? O LDL leva uma grande quantidade de colesterol do fígado até aos tecidos dos músculos e órgãos para que possa ser utilizado. Uma vez em excesso pode acumular-se nas paredes das artérias e dar início a um processo inflamatório. Já o HDL trabalha exatamente no sentido oposto: trata de levar uma pequena quantidade de colesterol dos tecidos e dos vasos novamente até ao fígado com o objetivo de a eliminar. Assim, o HDL funciona como agente de limpeza do organismo no que diz respeito ao colesterol.

Ou seja, no fundo o papel do HDL, ou bom colesterol, passa por impedir que o colesterol mau – cujos níveis devem ser inferiores a 115 mg/dl – se aloje nas paredes das artérias para desse modo reduzir o risco de sofrer de doenças cardiovasculares e cerebrovasculares. Para os homens beneficiarem da proteção que o bom colesterol lhes confere têm de apresentar níveis superiores a 40 mg/dl. Já as mulheres precisam de níveis um pouco mais altos, isto é, superiores a 50 mg/dl. E como podem aumentar os níveis de bom colesterol? A receita médica é quase sempre a mesma: exercício físico e uma dieta equilibrada.

Se não o fizer nada disso, e ainda por cima fumar, corre o risco de ter níveis elevados do mau colesterol. E acredite que a sua saúde vai ficar em perigo: altos níveis de LDL no sangue aumentam o risco de estreitamento das artérias e de sofrer de aterosclerose – doença caracterizada pela formação de um obstáculo nas paredes das artérias devido ao acumular de gorduras. Se por acaso ocorrer um coágulo numa artéria estreitada, o fluxo de sangue que chega a órgãos importantes como o coração e o cérebro fica comprometido e das duas, uma: ou pode sofrer de um enfarte do miocárdio ou de um AVC.

Má alimentação e falta de exercício entre os fatores de risco

Segundo dados da CUF, cerca de 69% dos portugueses apresentam valores de colesterol total iguais ou superiores a 190 mg/dl quando o recomendado é estar abaixo. E dizemos-lhe mais. O estudo “Os Portugueses e o Colesterol”, levado a cabo pela Fundação Portuguesa de Cardiologia em 2018, revelou que 58% dos inquiridos não sabem quais são os seus valores de colesterol.

Isto é um problema porque o colesterol é um fator de risco para várias doenças – enfarte, AVC, etc – e porque não exibe quaisquer sintomas. Contudo, nada está perdido porque tem nas suas mãos o poder vigiar a sua saúde de perto ao fazer análises de rotina ao sangue para perceber com o seu médico quais são os seus níveis de bom colesterol, mau colesterol e colesterol total. E prevenir-se!

Muita atenção aos triglicéridos!

Porquê? Ora, os triglicéridos são outra forma de gordura produzida pelo organismo e regra geral quem tem os triglicéridos elevados tem também níveis elevados de mau colesterol e níveis reduzidos de bom colesterol. Por norma, os triglicéridos estão mais elevados em pessoas com excesso de peso, reduzida atividade física, que fumam, bebem e fazem dietas ricas em hidratos de carbono.

Conheça os grupos de risco

Se tiver excesso de peso, hipertensão arterial, diabetes, mais de 40 anos, historial familiar de doença cardiovascular, presença de doença coronária ou doença das artérias periféricas pertence ao chamado “grupo de risco” e deve estar atento aos níveis de LDL, HDL e colesterol total.

E atenção a um fator que foge ao seu controlo, o da hereditariedade: a quantidade que cada organismo produz de colesterol corre nos genes, por isso se existir tendência na família é preciso prevenir, adotar por um estilo de vida saudável e se necessário procurar ajuda médica!

Colesterol: é possível prevenir?

Para manter os níveis de colesterol dentro do recomendado deve praticar algum tipo de atividade física, combater o sedentarismo, fazer uma dieta equilibrada e evitar fumar – ou pelo menos tentar reduzir! Ou seja, no fundo ter um estilo de vida saudável é o que faz o bom HDL ganhar a batalha contra o mau LDL.

Mas voltando à questão da dieta. É importante cortar no sal, nas gorduras saturadas e em alimentos prejudiciais à saúde – sobretudo se consumidos com muita frequência – como é o caso de fritos, panados, produtos de fast food, laticínios gordos, banha, carnes gordas, doces, bolachas, sumos de fruta e refrigerantes açucarados.

Por outro lado, há alimentos que têm o efeito contrário, isto é, ajudam-no a baixar os níveis de colesterol. Estamos a falar de leguminosas como o feijão, de fruta como as maçãs, uvas, morangos e a toranja, da aveia e de frutos secos como as nozes e os cajus. Já para temperar as refeições utilize azeite: é saboroso e reduz os níveis de mau colesterol. A moderação é a chave do sucesso!

Tratar o colesterol

Se já passou da fase de prevenção para a de tratamento do colesterol com medicação (estatinas), saiba que é importante cumprir o plano de tratamento porque são os medicamentos que o ajudam a controlar o colesterol, a prevenir o desenvolvimento da doença arterial e a estabilizar lesões precoces nas artérias. Além disso não deve descurar a dieta, o exercício e o bom sono, claro!

Ler Menos