Economia Pessoal

Termoacumulador ou esquentador: qual a melhor opção?

2 Julho, 2018

Saber como funciona um termoacumulador ou um esquentador já é meio caminho andado para escolher qual a melhor forma de aquecer água na sua casa. Leia o nosso artigo!


1. Aquecimento da água

A grande vantagem de um esquentador é que permite ter água sempre quente, podendo ser regulada entre os 35 e os 75 graus celsius: tal é possível porque se trata de um equipamento sanitário de produção instantânea de água quente. Como? Ora, a água é aquecida num permutador exposto ao calor das chamas de queimadores. Contudo tem uma contrapartida: com um esquentador não é possível controlar a que temperatura sai a água.

No caso de um termoacumulador isso não acontece. No entanto, leva mais tempo a aquecer a água. Os termoacumuladores são constituídos por um depósito onde fica armazenada a água que irá ser aquecida por uma resistência elétrica. Para aquecer a água mais rápido pode adquirir um termoacumulador com uma resistência elétrica mais potente, mas se para isso tiver que contratar uma potência mais elevada de eletricidade isso vai refletir-se na sua conta da luz.

2. Caudal da água

Ler Mais

Na questão do caudal da água fica a ganhar se adquirir um termoacumulador. Porquê? Enquanto que no caso de um termoacumulador o caudal da água quente e fria é igual, quando se trata de um esquentador o caudal da água quente é mais reduzido que o da água fria, porque para aquecer a água a velocidade do caudal tem de ser reduzida.

3. Poupança

Um esquentador de sistema automático tem uma vantagem: apenas consome energia quando a água quente está a ser utilizada, não tendo quaisquer custos associados quando o esquentador não está a ser utilizado.

Com o termoacumulador já não é assim: o aparelho gasta mais energia para manter a água quente, mesmo quando não está a ser utilizado. Se quiser poupar alguma eletricidade, o melhor é fazer uso das tarifas bi-horárias e aquecer a água nos períodos em que as tarifas elétricas são mais baixas.

4. Instalação

Para funcionar, um esquentador precisa de gás – gás propano, butanol ou natural. Como tal, na hora de escolher e investir num esquentador deve ter em conta o tipo de gás que tem em casa ou caso contrário não vai conseguir avançar com a instalação. Já um termoacumulador pode funcionar tanto a gás como a energia elétrica.

Em termos do espaço, saiba que um termoacumulador precisa de um sítio maior onde ser instalado do que um esquentador, uma vez que é constituído por um reservatório de água. Mas que equipamento é mais rápido e fácil de instalar? Um esquentador, embora exija a instalação por parte de um profissional especializado.

Além disso, saiba que o local de instalação de um esquentador determina o tipo de exaustão: num local com boa e permanente ventilação o mais adequado é um esquentador com exaustão natural, já no caso de um local que tenha boa admissão de ar mas uma exaustão insuficiente (saída de gases de combustão) recomenda-se um esquentador com exaustão ventilada. Se a admissão de ar e a exaustão forem insuficientes precisará de um esquentador com exaustão estanque.

5. Utilização da água quente

Os esquentadores e termoacumuladores também levantam questões no que toca à utilização da água quente. Por exemplo, é preciso ter em conta que os termoacumuladores são vendidos em diferentes capacidades – dos 15 ao 300 litros – e que para escolher o mais indicado para si e para a sua família é preciso considerar o consumo de 40 litros de água quente por dia, por cada elemento, diz a DECO.

No caso de um equipamento como os esquentadores esta questão não se coloca, mas é preciso ter em conta a quantidade de litros que o esquentador consegue aquecer por minuto. Sobretudo se a utilização for feita em simultâneo: numa habitação onde é preciso utilizar água quente na cozinha, lavatório, duche e/ou banheira é aconselhável um esquentador entre os 17/18 litros.

6. Segurança

Se a segurança do equipamento que vai comprar é algo que o preocupa, então opte por um de sistema automático, isto no caso dos esquentadores. Porquê? Evita ter que utilizar um fósforo para o ligar! Dentro dos esquentadores de sistema automático tem os por isqueiro a pilhas e os com um sistema de ignição por hidrogerador. Qual a diferença? O primeiro funciona a pilhas e o outro a pressão da água, mas ambos evitam que a chama fique acesa desnecessariamente a consumir gás.

A questão de segurança nos termoacumuladores prende-se mais com os materiais: sim o reservatório de água tem risco acrescido de corrosão. Como tal, a DECO alerta que deve ter em atenção o material da cuba ou reservatório e ter em conta que os modelos em cobre são mais resistentes do que os de aço ou ferro. E quanto mais espesso for o material de isolamento, melhor! A Associação aconselha ainda que por segurança realize a manutenção de acordo com o indicado pelo fabricante.

Afinal qual é melhor: um esquentador ou um termoacumulador?

No poupar do aquecimento da água é que está o ganho. Por isso, o que tem de ter em conta se está indeciso entre um termoacumulador ou um esquentador, é que a escolha vai depender muito dos seus consumos de água quente, das suas necessidades reais, do espaço que dispõe e também do número de pessoas que compõem o agregado familiar. Sobretudo porque – como vimos – tanto o termoacumulador como o esquentador têm as suas vantagens e desvantagens!

 

Ler Menos