Economia Pessoal

Quer vencer no mercado de trabalho? Aposte no desenvolvimento de competências!

27 Junho, 2018

O mercado de trabalho vai sofrer uma disrupção, alerta o World Economic Forum. E quer esteja no mercado de trabalho há anos, a dar os primeiros passos ou desempregado saiba que apostar no desenvolvimento de competências pode ser a solução para acompanhar todas as mudanças que aí vêm e conquistar o seu lugar a nível profissional!


O mundo está a mudar. E o mercado de trabalho também!

Energias renováveis, carros autónomos, inteligência artificial, biotecnologia, impressão 3D são algumas das tendências que marcam aquela que é conhecida como a Quarta Revolução Industrial . E que vão marcar-nos a nós num futuro próximo e a vários níveis. O mercado de trabalho não é exceção: o World Economic Forum alerta que a nova revolução industrial vai levar a que o mercado de trabalho sofra uma disrupção e se transforme. E é importante que se vá já preparando para isso…

Por que devo apostar no desenvolvimento de competências?

É certo e sabido que o “saber não ocupa lugar”. Mas por que é tão importante assim apostar no desenvolvimento de competências? Ora, é uma necessidade dos novos tempos: de acordo com o Think Tank Singularity University, 70% a 80% dos trabalhos tal qual como hoje os conhecemos vão desaparecer nos próximos 20 anos. A boa notícia é que vai haver espaço para o crescimento de novas áreas e trabalhos.

Resumindo: reciclar competências permitirá que continue a ser uma mais-valia para o mercado de trabalho – e não perca o seu lugar para as gerações mais novas – ou que se torne uma peça importante em áreas-chave do futuro, estando à frente do seu tempo. E qualquer um dos cenários é muito positivo para os trabalhadores!

A importância das soft skills

Ler Mais

Que é importante reciclar competências já sabemos, mas em quais devemos apostar, exatamente? O World Forum Economic diz que a criatividade será uma competência crucial para os trabalhadores e já num futuro próximo. Porquê? Tendo em conta o que implica esta onda de novas tecnologias, novos produtos e novas formas de trabalhar, as pessoas terão que ser cada vez mais criativas para beneficiarem de todas estas mudanças e conquistarem o seu lugar no mercado laboral.

Além da criatividade, o relatório “Future of Jobs” do World Economic Forum refere outras competências que são imprescindíveis aos trabalhadores por volta de 2020: estamos a falar de resolução de problemas complexos, pensamento crítico, gestão de pessoas, saber coordenar-se com os outros, inteligência emocional, tomada de decisão e discernimento, orientação para o serviço, negociação e flexibilidade cognitiva. Ou seja, as soft skills – conhecidas com as competências não técnicas – serão muito importantes para o mercado de trabalho.

Formações técnicas: uma aposta com futuro

Apostar nas soft skills é cada vez mais importante, no entanto as formações técnicas também não são de descartar. A verdade é que este tipo e competências podem valorizar muito o seu currículo e enaltecer o seu percurso profissional. Um estudo do Hay Group, consultora global de Gestão, concluiu mesmo que as empresas estão mais interessadas nas competências técnico-práticas dos trabalhadores, isto é, que requerem uma formação profissional e não uma formação superior tradicional.

De qualquer maneira, quando o assunto é formação, não devemos pensar apenas num caminho possível. Complementar uma formação profissional (ensino secundário profissionalizante, por exemplo) com um curso superior mais formal – ou vice-versa – pode ser mesmo a melhor escolha. Com uma carteira de competências diversificada estará mais preparado para enfrentar os mais variados desafios profissionais ao longo da sua vida ativa.

Diversificar a sua formação pode ser a chave para o sucesso

É natural que, ao longo das suas carreiras, as pessoas acabem por se especializar em determinada área ou função. No entanto, esta tendência também tem o seu lado negativo: profissionais altamente especializados poderão ver-se em apuros caso o seu emprego, perfil ou função deixe de ter relevância no mercado de trabalho. Diversificar a sua formação – mesmo que continue a desempenhar uma função mais específica – e estar disponível para reciclar as suas competências ao longo dos anos pode poupar-lhe vários dissabores e garantir que, aconteça o que acontecer, pode (re)encontrar o seu lugar no mundo profissional.

Fazer workshops, explorar as suas capacidades e interesses naturais, apostar na formação contínua dentro e fora da sua área profissional são apenas algumas formas de diversificar as suas competências profissionais. Assim, em caso de desemprego ou de, simplesmente, querer mudar de rumo a nível profissional, terá mais portas abertas e caminhos disponíveis.

Ler Menos