Saúde

Hérnia discal: um problema nos amortecedores

18 Janeiro, 2018

As dores nas costas são a principal causa de consultas médicas, revela a Organização Mundial de Saúde. E algumas delas poderão estar relacionadas com as chamadas hérnias discais. Sabe do que estamos a falar?


A coluna, as vértebras e os discos

A coluna é formada por sete vértebras cervicais (zona superior) e cinco vértebras lombares (zona inferior). Entre estas vértebras existem uns anéis fibrosos com um formato externo circular de conteúdo interno gelatinoso. São os chamados discos intervertebrais (cervicais e lombares), os quais têm várias funções entre as quais: articular o movimento da coluna, amortecer os choques suportados pela coluna e proteger a medula e nervos espinais que se encontram no centro da coluna (canal vertebral).

Com o passar do tempo, e como consequência da perda de elasticidade, os discos, tanto a nível lombar como cervical, vão sendo cada vez menos capazes de desempenhar as suas funções, tornando-se mais suscetíveis a lesões como as hérnias discais, especialmente entre os 30 e os 50 anos de idade.

Hérnia discal: o que é?

A hérnia discal ou hérnia de disco é um deslocamento de parte do disco intervertebral para fora da sua localização anatómica normal, podendo comprimir as estruturas nervosas vizinhas, causando dor e alterações neurológicas.

Mas como se explica o aparecimento de uma hérnia discal? Geralmente o problema ocorre quando o material gelatinoso (núcleo pulposo), referido anteriormente, sai para fora do seu “invólucro” (o anel externo do disco), em direção ao canal espinal, comprimindo os nervos. A dor, adormecimento ou perda de força nos membros inferiores ou superiores resultam da sensibilidade à pressão.

Ler Mais

Excesso de peso: um dos fatores de risco das hérnias discais

Para além do envelhecimento, o levantamento inadequado de pesos, excesso de peso, fumar, pressão súbita ou repetição de atividades que forçam a coluna, são fatores de risco que estão relacionados com o aparecimento de hérnias discais.

Como tal, os atletas são considerados um grupo de risco: esqui, basquetebol, futebol, ginástica, corrida, golfe ou ténis são desportos que, devido à sua natureza, exercem muita pressão sobre a coluna, uma vez que compreendem a absorção dos impactos, rotação do tronco e outros movimentos bruscos.

Quais são os principais sintomas de uma hérnia discal?

Os sintomas de uma hérnia discal variam de acordo com a sua localização, isto é, se é lombar ou cervical. Se se tratar de uma hérnia lombar, a sua manifestação mais comum é a chamada dor ciática – dor que se espalha pelo membro inferior atingindo a perna e o pé. Perda de força numa das pernas, sensação de formigueiro ou de adormecimento numa perna ou pé, perda de controlo sobre os esfíncteres ou sensação de queimadura são outros dos sintomas associados.

No caso da hérnia cervical, os principais sintomas são a dor no pescoço, que se pode espalhar para os ombros, braços e mãos, e sensação de formigamento e de dormência. Nos casos mais graves também pode surgir diminuição da força muscular e dificuldade para movimentar o pescoço.

Dos sintomas ao diagnóstico e tratamento

Se se identificar com um ou vários sintomas comuns às hérnias discais, consulte um médico. Isto é essencial porque só o exame médico e o historial clínico permitirão identificar a raiz nervosa afetada. Nestes casos, para se chegar até ao diagnóstico final realiza-se uma radiografia, uma tomografia computorizada (TAC), passando por uma ressonância magnética e ainda uma eletromiografia – exames muito importantes em caso de dor persistente.

No que toca ao tratamento, saiba que em 90% dos casos o problema se resolve sem cirurgia. Sim, o descanso combinado com o uso de anti-inflamatórios, analgésicos ou relaxantes musculares ajudam bastante. Para aliviar a dor, os especialistas recomendam ainda que aplique compressas frias ou quentes ao longo do dia mas não mais do que 20 minutos. Para uma recuperação mais rápida pode recorrer-se a uma injeção epidural de corticóides.

Por sua vez, a cirurgia é realizada quando um fragmento do disco se aloja no canal espinal e comprime o nervo, de tal forma que conduz a perda significativa da função. Claro que os tipos de cirurgia variam de caso para caso, dependendo da dimensão e localização do disco herniado, explica a CUF, mas regra geral o que acontece é que o disco é removido e as vértebras são fixadas.

Hérnia discal: dicas de prevenção a adotar já!

Para evitar o risco de sofrer de uma hérnia discal, há que evitar atividades ou ações que enfraqueçam os discos. Por exemplo, flita os joelhos e não a coluna quando estiver a levantar pesos, de forma a não colocar pressão nos discos. Também ajuda se mantiver uma postura correta enquanto estiver sentado: costas direitas, ombros para trás, abdómen para dentro e os pés bem apoiados no chão.

No caso das senhoras, se evitarem o uso de saltos altos a coluna agradece! Mas, de uma forma geral, ter um peso certo para a estatura, manter uma dieta saudável e equilibrada e praticar exercício físico de forma adequada chega para manter a boa saúde da sua coluna. Sim, se exercitar os músculos das costas, pernas e abdómen estes ficarão mais fortes e também conferem melhor suporte à coluna!

Caso já tenha saltado da fase de prevenção para a fase de tratamento, saiba que deve praticar atividade física de forma reduzida e controlada, tendo especial atenção aos movimentos de flexão e de levantamento de pesos, para não agravar a situação. É importante que faça exercícios que reforcem a coluna e os músculos abdominais, por isso faça caminhadas curtas e evite estar muito tempo sentado.

Ler Menos