Cultura e lazer

10 livros que foram adaptados ao cinema – e provavelmente não sabia!

6 Dezembro, 2017

Há livros que ganharam vida ao saltar para o grande ecrã. Apresentamos-lhe 10 filmes que provavelmente não sabia que eram adaptações!


JAWS (1975)

Estávamos em 1974 quando Peter Benchley publicou JAWS, um livro sobre um ataque de tubarão. O escritor inspirou-se na notícia de um pescador, Frank Mundus, que apanhou um tubarão branco de duas toneladas junto às praias de Long Island, em 1964. E não há ninguém melhor do que Steven Spielberg para capturar o terror que se pode sentir perante uma situação como essa. No entanto, o realizador não foi a primeira escolha. Sim, inicialmente o filme era para ter Dick Richards ao leme mas o realizador acabou por ser dispensado quando disse que sempre quis fazer um filme com uma baleia!

Os produtores do filme, Richard D. Zanuck e David Brown, conseguiram ter acesso ao livro mesmo antes de ser publicado e gostaram tanto que compraram imediatamente os seus direitos para a adaptação para cinema! O filme JAWS, com 2 horas de duração, acabaria por chegar ao público a 20 de Junho de 1975 e teve tanto sucesso que chegou a ser capa da revista TIME.

Die Hard (1988)

Ler Mais

O clássico de ação Die Hard são cerca de duas horas de façanhas de John McClane – papel do ator Bruce Willis – um antigo polícia que está na mira de um grupo de terroristas alemães, desafiando todas as probabilidades. Mas mais surpreendente do que descobrir que este filme de John McTiernan saltou das páginas de um livro publicado em 1979 – Nothing Lasts Forever do escritor Roderick Thorp – é o resto da história.

A verdade é que o livro é uma sequela de The Detective que por sua vez também foi adaptada ao cinema no ano de 1968. Contou com Frank Sinatra no papel de protagonista como Joe Leland e, para efeitos de contrato, o estúdio foi obrigado a oferecer o papel de John McClane a Sinatra antes de o fazer a Bruce Willis! Isto também levou a que o filme e o livro se distanciassem porque não havia a intenção de que os filmes fossem associados e porque Sinatra e Willis pouco têm a ver um com o outro – ou mesmo nada!

Goodfellas (1990)

Wiseguy é o nome do livro que encantou – e muito – o realizador Martin Scorsese. Sim, ao folhear este livro de não-ficção escrito pelo jornalista Nicholas Pileggi o realizador afirmou que era o retrato mais real e honesto sobre a vida de gangsters que ele alguma vez tinha lido. E foi assim que nasceu na década de 90 o filme Goodfellas, em português Tudo Bons Rapazes. E caso não saiba, o autor do livro co-escreveu o roteiro para o filme ao lado de Scorsese!

Os atores Robert DeNiro, Ray Liotta e Joe Pesci encarnam os personagens principais como gangsters: o filme segue a sua ascensão e queda ao longo de três décadas. A combinação perfeita do argumento aos elementos de drama e crime valeram-lhe a indicação para seis óscares em 1991, cinco prémios BAFTA, foi eleito como o melhor filme pelo New York Film Critics Circle Awards e a Boston Society of Film Critics, por exemplo, e tem uma pontuação de 8,7 no IMDB.

Jurassic Park (1993)

O livro Jurassic Park é um romance de ficção científica escrito por Michael Crichton, em 1990. E fica a promessa certa de que em 400 páginas será transportado para uma realidade em que dinossauros geneticamente recriados saem de um parque de diversões para o mundo real, observando página após página o caos que isso envolve.

Ora e esta história não podia passar ao lado de quem? Do realizador Steven Spielberg que a adaptou de forma genial ao grande ecrã. Estávamos no ano de 1993 e teve como protagonistas Sam Neill, Laura Dern, Jeff Goldblum, entre outros. O seu sucesso foi inquestionável, tendo ao longo dos anos várias sequelas.

Forrest Gump (1994)

Quando existem adaptações de livros ao cinema às vezes acontece algo muito curioso: os filmes são tão bons que as pessoas ficam interessadas em ler o livro, quando descobrem por fim que é uma adaptação. O livro Forrest Gump é um claro exemplo de um romance homónimo que só ficou massivamente conhecido quando o filme – cujo género combina drama e romance – de Robert Zemeckis estreou. E foi um êxito de bilheteiras arrebatando completamente a Academia de Hollywood. Sim foi nomeado para 13 óscares e ganhou 6 no total entre os quais se destacam Melhor Filme, Melhor Realizador e Melhor Ator Principal. E parece que ainda hoje conseguimos ouvir “Run Forrest, Run!”.

Mas não estranhe se a história do livro e do filme lhe parecerem ligeiramente diferentes. No livro, Forrest tem uma linguagem profunda e o autor queria que este fosse interpretado por John Goodman. No entanto, o papel coube que nem uma luva a Tom Hanks! Já no filme assistirá à transformação de um rapaz simplório, pouco inteligente, cheio de bons princípios e que vive numa realidade só sua, numa espécie de herói americano ao estar presente em todos os momentos certos e ao conhecer as pessoas certas como é o caso do presidente Kennedy e do cantor John Lennon.

O Advogado do Diabo (1997)

Juntar dois atores como Keanu Reeves e Al Pacino num filme realizado por Taylor Hackford resultou numa brilhante versão contemporânea da história de Fausto, o homem que vendeu a alma ao Diabo. Neste thriller de 1997, Al Pacino encarna o diabo em pessoa e Keanu Reeves é o advogado ambicioso que depressa é corrompido. O mérito de ter uma avaliação de 7,5 no IMDB deveu-se não só à boa interpretação dos atores mas também ao argumento complexo escrito por Jonathan Lemkin e que foi brilhantemente adaptado do romance de Andrew Neiderman O Advogado do Diabo.

Fight Club (1999)

A verdade é só uma: Chuck Palahniuk escreveu o livro Fight Club em 1996. Depois, em 1999, o realizador David Fincher decidiu adaptá-lo e levá-lo até às salas de cinema. Durante cerca de duas horas poderá assistir a um drama que conta a história de um trabalhador que quer desesperadamente mudar de vida. E tal vai acontecer: abre um “clube de combate” que se vai transformar em muito mais do que isso. Ao elenco não faltam estrelas de grande reconhecimento internacional: Brad Pitt, Edward Norton e Helena Bonham Carter ocupam os papéis principais.

Road to Perdition (2002)

As adaptações de super-heróis fazem parte do dia-a-dia da sétima arte, volta não volta. E se há bandas-desenhadas de todos os tamanhos e feitos, o mesmo se passa com os filmes em que estas são baseadas. Um exemplo é Caminho para Perdição, originalmente Road to Perdition, realizado por Sam Mendes. E até a própria banda desenhada é uma adaptação de um livro manga de samurais chamado Lone Wolf and Cub.

Mas de que trata o filme afinal? O drama/thriller/crime leva-o durante 116 minutos a conhecer a história de um assassino – encarnado por Tom Hanks – ao serviço da máfia irlandesa cuja identidade é descoberta por um dos filhos que o tem por herói. E tudo acontece no ano de 1931 durante A Grande Depressão. O que acontece a partir daqui? Só lhe podemos dizer que o filme arrecadou cinco Óscares entre os quais Melhor Realizador, Melhor Ator e Melhor Argumento!

Este País Não É Para Velhos (2007)

Quando Cormac McCarthy escreveu o romance Este País Não É Para Velhos nunca pensou que a sua adaptação ao cinema pelas mãos dos irmãos Ethan e Joel Coen tivesse tanto êxito. O autor é conhecido pela sua criatividade, pela crueza da sua escrita e conta com uma mão cheia de prémios literários e de filmes adaptados da sua obra, mas nunca nenhum tinha dado tanto que falar. Sim é que caso não saiba Este País Não É Para Velhos tornou-se num sucesso de bilheteira arrecadando 170 milhões de dólares um pouco por todo o mundo.

O filme, de género thriller, tem uma pontuação de 8,1 em 10 no IMDB e conta a história de ladrões de gado que deram lugar a traficantes de droga e onde as pequenas cidades na fronteira de Texas-México se tornaram em campos de batalha. Crime, violência e dinheiro são os ingredientes principais da visão narrativa dos seus realizadores e que lhes valeu quatro óscares, entre os quais está o de melhor filme e de melhor ator secundário, mérito de Javier Bardem.

 The Help – “As Serviçais” – (2011)

O livro de Kathryn Stockett e o filme de Tate Taylor The Help têm em comum um tema bastante profundo: abordam o que as mulheres afroamericanas sofreram como criadas à mão das famílias brancas durante os anos 60, nos Estados Unidos da América. O trio fantástico transita do livro para o cinema e prepare-se para descobrir como vão dar voz ao que se passa! Uma coisa é certa: ou ficará rendido às 2 horas e 26 minutos deste filme dramático que vence ao escolher atrizes como Viola Davis, Emma Stone e Octavia Spencer para os papéis principais ou às 464 páginas de um livro descrito por muitos como “marcante” e “brilhante”.

Ler Menos