pessoas e histórias

Web Summit 2017: Saiba tudo sobre a maior conferência de Tecnologia

2 Novembro, 2017

É já esta segunda-feira, dia 6 de novembro, que começa em Lisboa a maior conferência de inovação, tecnologia e empreendedorismo da Europa. A Web Summit realiza-se pela segunda vez em Portugal e só termina dia 9. Aqui fica tudo o que precisa saber!


Como nasceu a Web Summit? 

Paddy Cosgrave é o rosto que lidera a maior conferência de tecnologia do mundo. Em 2010, o irlandês conseguiu reunir cerca de 400 pessoas em Dublin para a primeira edição da Web Summit. Desde aí que o evento não tem parado de crescer e logo em 2011 conseguiu triplicar de tamanho. A organização, composta inicialmente por três pessoas, passou a contar com mais de 150 colaboradores em menos de nada.

Como é que a Web Summit veio parar a Lisboa?

Ler Mais

Em 2016 e depois de 5 anos a realizar-se na Irlanda, a Web Summit mudou-se para Lisboa. E para esta decisão concorreram vários fatores. Por um lado, o governo irlandês não deu a Paddy Cosgrave todas as garantias ao nível das infraestruturas, transportes, conectividade e capacidade hoteleira necessárias para o bom funcionamento de um evento que em 2015 já tinha alcançado os 42.000 participantes. Por outro, Lisboa e o governo português já tinham demonstrado interesse em receber a conferência, mas outras capitais europeias estavam na corrida: Amesterdão e Paris.

A campanha “Let’s bring the Web Summit 2016 to Lisbon“ desenvolvida pela Ship através do Twitter, pretendia fazer chegar ao mentor da conferência todos os motivos pelos quais deveria eleger Lisboa. E conseguiu-o!

Na verdade, Cosgrave já andava de olho em Portugal, desde que algumas empresas nacionais se começaram a destacar. Em 2014 a startup portuguesa Codacy ganhou o melhor pitch da Web Summit e no ano seguinte foi a Farfetch a dar nas vistas, ao tornar-se o primeiro unicórnio português.

A organização da Web Summit ficou convencida pelo entusiasmo e empreendedorismo da comunidade tecnológica nacional e foi assim que Lisboa se tornou o anfitrião da maior conferência de tecnologia por três anos. Para já a parceria é válida até 2018, mas pode ser estendida por mais dois anos.

O que faz da Web Summit um evento a não perder? 

Na Web Summit é possível encontrar desde as empresas que constam da Fortune 500 às pequenas empresas tecnológicas, CEOs, investidores e fundadores de startups. Há participantes de centenas de países, o que transforma o evento numa montra onde as empresas podem dar-se a conhecer, fazer contactos, estabelecer parcerias e, quem sabe, encontrar o apoio que faltava para passar ao próximo grande projeto. Foi o caso de Jaime Jorge que apresentou a Codacy no pitch de 2014 e assim acabou por conhecer alguns dos melhores clientes da empresa.

CEO do Booking.com, Intel & Oracle

Um dos momentos altos do evento é, justamente, a eleição anual da startup vencedora do PITCH (breve apresentação da ideia da empresa). Mais do que o prémio em si, é o reconhecimento e a projeção internacional que movem as centenas de startups que concorrerem.

Web Summit 2017: o que esperar?

Tal como na edição anterior, este ano a Web Summit vai realizar-se na FIL e na Altice Arena, ambas localizadas no Parque das Nações. São 4 dias com 25 conferências em que a organização espera ultrapassar os 60.000 participantes oriundos de 170 países.

Este ano o evento conta com mais de 1.000 oradores e cerca de 1.500 investidores. Marcam presença figuras das mais diversas áreas, da tecnologia ao futebol, passando pela moda e acabando nos robôs. Sim, leu bem. Na edição deste ano vão estar presentes dois robôs: a Sophia e o Professor Einstein, dois robôs desenvolvidos pela Hanson Robotics que vão discutir a atualidade. António Guterres, Al Gore e François Holland são alguns dos nomes mais sonantes.

António Guterres & Al Gore

Este ano os organizadores quiseram alargar o seu plano de atuação da tecnologia para as várias áreas com que esta se cruza: saúde, desporto, moda, design, ambiente. Uma das novidades é precisamente o PlanetTech, um palco onde se vai discutir sustentabilidade, ambiente e energias alternativas. Uma agenda de conferências cheia e os eventos paralelos, como o Surf Summit e o Night Summit, prometem animar a capital.

O impacto da Web Summit na Economia 

Avaliar o impacto de um evento que vai ter pelo menos a duração de 3 anos não é fácil, mas os organizadores da Web Summit estimam que a edição de 2016 tenha injetado 200 milhões de euros na economia portuguesa. Um terço desse valor na atividade hoteleira e 50 milhões nos fornecedores diretos do evento. No entanto, como refere a secretária de Estado da Indústria Ana Lehmann, o impacto total de um evento destas dimensões só pode ser avaliado no médio prazo.

Será necessário calcular também as empresas que receberam investimentos ou aumentaram a sua carteira de clientes depois da participação no evento, bem como quantificar o retorno que a exposição mediática (são mais de 2.000 jornalistas internacionais) traz às empresas nacionais e à oferta turística.

Ler Menos