Economia Pessoal

Gestão do Condomínio: 10 dicas para poupar… em dinheiro e chatices!

4 Outubro, 2017

Sabia que um condomínio deve ter um fundo comum de reserva? E que sai mais barato ter um seguro multirriscos? Quer seja administrador de condomínio ou simplesmente um condómino, estas 10 dicas vão ajudá-lo a poupar em dinheiro e chatices.


1. Escolha o banco mais em conta

Todos os condomínios precisam de uma conta à ordem para a gestão corrente e de uma conta a prazo para onde segue o excesso das receitas sobre as despesas e o fundo comum de reserva do condomínio. Mas será que sabia que pode poupar cerca de 100 euros anuais se escolher bem o banco? Perca um pouco de tempo a olhar para o valor das transferências, livros de cheque, homebanking e comissões de manutenção de conta e faça a escolha mais acertada para si e para todos os condóminos.

2. Invista num fundo comum de reserva

Um fundo comum de reserva é um fundo de maneio que é depositado num banco para fazer face às despesas de conservação do condomínio. E quanto cabe a cada condómino? Cada um deve contribuir com 10% do valor da quota. Mas atenção: o saldo desta conta só pode ser utilizado para a realização de obras de conservação e beneficiação nas partes comuns do prédio! Além disso, lembre-se que esta informação deve ficar ressalvada em ata, bem como os números de conta de depósito do fundo. A gestão do fundo comum de reserva cabe à administração do condomínio.

3. Negoceie contratos

Ler Mais

Os contratos de condomínio abrangem normalmente a manutenção de elevadores, limpeza do prédio, jardinagem, limpeza dos espaços comuns, luz, água, gás, etc. E saiba que estes podem – e devem – ser renegociados. Assim, tem duas opções sobre a mesa: ou negoceia uma descida de preços com as empresas já contratadas ou contrata novos serviços que ofereçam preços mais atrativos. Se escolher a última opção, deve ter em conta não só o preço mas também as facilidades de pagamento e os períodos de manutenção gratuita. Contudo seja cauteloso na hora de assinar o contrato: há empresas que estipulam um prazo mínimo de 90 dias em relação à data de renovação para desistir do serviço.

4. Considere contratar um seguro multirriscos

O seguro de incêncio é obrigatório mas pode ser insuficiente caso ocorram problemas em áreas comuns como o telhado, a garagem, escadas e elevadores. Assim, considere contratar um seguro multirriscos, que inclui todo o edifício – frações e partes comuns –, anulando os seguros individuais, e que é mais económico. Sim, de acordo com a DECO, a poupança anual obtida com este tipo de seguro único fica na ordem de 30 a 40 por cento por cada condómino.

5. Manutenção e obras: contrate empreiteiros credenciados!

Um cano rebentou no prédio? Um elevador deixou de funcionar corretamente? No que diz respeito a manutenção e obras no edifício predial, há uma regra de ouro: contrate sempre empreiteiros credenciados pelo Instituto da Construção e do Imobiliário, o InCI. Se aceder ao portal do instituto pode confirmar se o alvará da empresa a contratar consta como fornecedor credenciado. Tenha em consideração que por vezes ir atrás do mais barato sai caro: escolher um profissional qualificado pode ajudá-lo a poupar uns euros no condomínio ao evitar reparações sucessivas a intervenções mal realizadas!

6. Envie recibos e avisos de pagamento por e-mail

Alguma documentação relativa ao condomínio, como é o caso de recibos ou dos avisos de pagamento, pode ser enviada por e-mail. Já pensou quanto poupará em papel, fotocópias e despesas de correio se optar pela via eletrónica? No entanto tenha em atenção que a lei ainda não permite que se enviem por e-mail convocatórias das assembleias e das atas de condomínio aos ausentes.

7. Mude para o mercado liberalizado

Se no seu prédio ainda têm um serviço de eletricidade contratado no mercado regulado, está na hora de mudar! A razão é simples: como no mercado livre os preços são estipulados por cada entidade comercializadora, os valores praticados são mais competitivos – o mesmo se aplica às condições – do que no mercado regulado. Isto acontece porque no mercado regulado os preços da eletricidade são estabelecidos pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, a ERSE, e praticados pela EDP.

8. Estabeleça planos de pagamento para quotas em atraso

As quotas em atraso são um dos maiores problemas que se enfrenta ao nível da gestão do condomínio. Isto porque não é fácil abordar os devedores e costuma ser um tema que causa tensão entre os moradores. Por isso, o melhor a fazer nestes casos é tentar resolver a situação a bem e só partir para tribunal se não houver outra alternativa – o que, além disso, implica custos extra bastante altos. Neste sentido aconselhamos que estabeleça um acordo de pagamento com o condómino em falta, estabelecendo um valor com o qual este se sinta confortável a pagar. Só assim é que ambas as partes sairão beneficiadas.

9. Não se esqueça das funções de administrador

Se se ofereceu para ser administrador do seu condomínio, não se pode esquecer das funções que tem de desempanhar. É o administrador que fica encarregue de convocar a assembleia de condóminos; executar as deliberações da assembleia; verificar a existência do seguro contra o risco de incêndio; representar o condomínio perante as autoridades administrativas e ações judiciais; assegurar a execução do regulamento e das disposições legais e administrativas do condomínio; realizar as reparações no prédio e outros atos necessários à sua conservação; bem como cobrar receitas.

10. Contratar uma empresa para fazer a gestão do condomínio

Uma empresa de gestão de condomínio pode tratar das chamadas “coisas chatas” com as quais nenhum condómino quer perder tempo. Estamos a falar, por exemplo, da manutenção e conservação dos espaços comuns, da elaboração de orçamentos e da negociação com prestadores de serviço, gestão de conflitos, cobrança de quotas, etc. O preço cobrado por estas empresas pode variar em função do número de condóminos, da existência de porteira ou serviços de limpeza, dos elevadores e do tipo de serviço.

É certo que a contratação de uma empresa externa para gerir o condomínio pode poupar-lhe muitas dores de cabeça, mas será que compensa financeiramente? Apesar de cobrarem taxas de serviço, estas empresas também podem representar uma poupança, no fim das contas feitas. É que por vezes conseguem melhores preços nos serviços de limpeza ou manutenção.

Ler Menos