Saúde

Síndrome do Ninho Vazio: quando os filhos saem de casa

29 Setembro, 2017

Sente que a casa está mais vazia desde que o seu filho foi estudar para fora? E anda mais triste do que é normal? Isso tem um nome: Síndrome do Ninho Vazio.


Síndrome do Ninho Vazio: o que é?

Ao contrário do que possa pensar, a Síndrome do Ninho Vazio não é uma doença: no fundo, trata-se de uma sensação de vazio emocional. Mas o que está na sua origem? Normalmente está relacionada com rituais que assinalam a entrada dos filhos na vida adulta: estamos a falar de ir estudar para uma universidade longe de casa, do primeiro emprego, da primeira relação séria, da compra da primeira casa, etc.

O que acontece é que no decorrer destes acontecimentos, a mãe e o pai deixam de ter um papel tão preponderante na vida dos filhos, uma vez que estes começam a percorrer o seu próprio caminho para se tornarem independentes. Assim, não é de estranhar que os pais que vivem muito para os filhos – ou em função deles – não lidem facilmente com este processo de corte do cordão umbilical, acabando por sentir o tal “ninho vazio”.

Os sentimentos contraditórios da Síndrome do Ninho Vazio

Ler Mais

Depressão, tristeza, dor emocional e física: estes são os sentimentos associados à Síndrome do Ninho Vazio. No entanto, até é comum ter no mesmo dia emoções bastante contraditórias: se por um lado sente alegria por ter mais tempo para si pode também chorar por temer a solidão e sentir a casa mais vazia. E embora se sinta otimista em relação à nova fase da vida do seu filho, não consegue evitar ser invadido por muitas preocupações? Segundo os especialistas, sentir isto tudo ao mesmo tempo é normal e é um sintoma comum da Síndrome do Ninho Vazio.

As mães que ficam em casa sofrem mais do que as trabalham?

Há a ideia de que só as mulheres que ficam em casa a cuidar dos filhos é que são afetadas pela Síndrome do Ninho Vazio, o que segundo os especialistas não é verdade. Os pais que se dedicaram às suas carreiras profissionais conseguem manter melhor a sua individualidade, é certo, mas nem por isso são imunes à Síndrome do Ninho Vazio. Isto porque o sentimento de perda e de um propósito na vida – e que é comum a pais que trabalham e que não trabalham – foge ao seu controlo, segundo o que apurou Celia Dodd autora do livro The Empty Nest: How to survive and stay close to your adult child.

Além disso, de acordo com a investigação de uma socióloga Americana, Lillian Rubin, muitas vezes as “stay-at-home moms” sentem-se até aliviadas com a saída dos filhos de casa. Isto não quer dizer que não sintam a sua falta, mas que já precisam de tempo só para elas. Já as mães que trabalham podem questionar-se muitas vezes se passaram tempo suficiente com os filhos. E esse sentimento agrava-se com a saída dos filhos de casa, conduzindo então à Síndrome do Ninho Vazio.

Mito: os homens não sofrem da Síndrome do Ninho Vazio

Regra geral, as mulheres são mais afetadas pela saída dos filhos de casa – ou pelo menos demonstram-se mais sensíveis durante todo este processo. Contudo, não pense que os homens não sentem a Síndrome do Ninho Vazio. O que acontece, segundo o que explica a psicóloga Ana Durão na revista Pais&Filhos, o sexo masculino está formatado para pensar que não sofre ou para esconder o sofrimento, no entanto, a dor está presente.

Estamos só os dois. E agora?

Para além das consequências individuais da Síndrome do Ninho Vazio, a relação do casal também pode ficar fragilizada. Anabela e César são prova viva disso. Contaram à Pais&Filhos que quando a sua filha decidiu fazer um interrail pela Europa aos 17 anos viveram um par de semanas muito difíceis: embora não discutissem repararam que pouco tinham para dizer um ao outro.

Isto acontece porque a paternidade por vezes mascara as dificuldades de relacionamento de um casal e quando os filhos já não estão por perto os problemas vêm mais facilmente à tona. Além disso, a psicóloga Ana Durão explica que muitos pais já não sabem estar sozinhos: manter a dinâmica de casal tendo filhos não é fácil, mas é crucial tentar para que a vida a dois se mantenha. Caso contrário um dia dão por si e são como dois estranhos, adverte a especialista.

Como combater a Síndrome do Ninho Vazio?

Segundo os especialistas, a solução para ultrapassar a Síndrome do Ninho Vazio passa, em grande parte, por aceitar desde cedo que quando tem um filho está a prepará-lo para a vida e que por isso tem de o deixar partir quando a altura chegar. Ver as coisas por este prisma pode ajudar: se o seu filho se sente pronto para sair de casa isso quer dizer que foi bem-sucedido ao educá-lo para ser auto-suficiente, independente. E esta vitória também é sua!

Além disso, pode precaver-se para este momento ao soltar um pouco as amarras enquanto os seus filhos ainda estão em casa: deixá-los passar o fim de semana ou parte das férias com os tios ou os avós pode ser uma boa estratégia. A parte deste exercício de autonomia, saiba ainda que é essencial manter a sua individualidade: foque-se nos seus hobbies, na sua carreira e em tudo aquilo que gosta de fazer, para além de educar e cuidar dos filhos.

Ler Menos