pessoas e histórias

8 ideias simples que renderam milhões

26 Junho, 2017

São produtos imprescindíveis e fazem parte do dia a dia de milhões de consumidores por todo o mundo. Descubra que ideias foram essas e como renderam milhões aos seus criadores.


Post-It: o autocolante que revolucionou o mundo empresarial

O icónico bloco de notas amarelo que se encontra em qualquer casa ou escritório teve origem em 1974, quando Dr. Spencer Silver, um cientista da 3M criou um adesivo de pouca adesão que não estava a obter sucesso. Quando se reencontrou com um amigo que cantava no coro da igreja e se sentia frustrado pelo facto de as suas partituras caírem sucessivamente, ambos decidiram combinar as suas ideias e juntar as folhas coladas com o adesivo criado por Silver.

Após a entrega de algumas amostras gratuitas, os criadores começaram a ver o sucesso da sua invenção, tendo sido avaliada em mais de 52 milhões depois do primeiro ano. Desde então, o Post-It continua a ser um produto muito procurado, gerando 1 bilião de dólares em 2012, e é atualmente vendido em mais de 100 países.

Crocs: confortáveis, coloridas… e valiosas!

Ler Mais

Hoje é a terceira maior fabricante de calçado do planeta e já vendeu mais de 300 milhões de pares desde o seu lançamento. Estamos a falar da Crocs que desenvolveu uns sapatos anti-microbianos, resistentes ao odor, leves, resistente e antiderrapante e que se tornaram um fenómeno global.

A ideia surgiu quando um grupo de amigos velejadores se encontrava descontente com a oferta de calçado para aquela modalidade desportiva, já que precisavam de um modelo antiderrapante, impermeável e confortável. Desta forma, associaram-se à empresa criadora de um material constituído por uma resina de célula fechada que reunia todas estas condições e assim nasceram as famosas Crocs.

O objetivo inicial era vender os famosos chinelos a velejadores, no entanto, o sucesso foi tal que o fenómeno word of mouth fez as Crocs chegar a um grande número de pessoas, incluindo celebridades como Madonna e o ex-Presidente George W. Bush. Atualmente existem mais de 300 modelos diferentes com mais de 400 combinações de cores à escolha.

Kleenex: boas ideias numa caixinha

Estes lenços de papel tornaram-se um ícone desde os anos 20, de tal forma que a popularidade do produto levou muita gente a usar a expressão Kleenex para designar qualquer lenço, independentemente da marca.

Esta invenção é uma propriedade da empresa Kimberly-Clark que começou como um produto substituto às tolhas de rosto e ao algodão. Depois disso, o Diretor de Research tentou persuadir a empresa a publicitar os lenços para constipações, no entanto, só conseguiu um pequeno espaço publicitário para essa menção.

Uns anos mais tarde, os Kleenex estavam a ser comercializados como um substituto do lenço de bolso descartável e ficou conhecido dessa forma. Neste momento, os produtos Kleenex são manufaturados em 30 países e vendidos em mais de 170.

Band-Aid: o penso rápido da Johnson & Johnson

Tal como com muitas das ideias desta lista, o penso rápido foi criado para solucionar um problema encontrado pelo seu criador. Neste caso, Earl Dickson queria ajudar a sua mulher que cortava os dedos com frequência enquanto cozinhava e, por isso, desenvolveu o penso que permitia proteger pequenas feridas.

Esta ideia começou com o pé esquerdo, já que não obteve sucesso no início das suas vendas, tendo apenas originado 3.000 dólares no primeiro ano de lançamento no mercado. No entanto, após a morte do criador em 1961, a empresa vendeu 30 milhões de Band-Aids por ano e em 2011 foram vendidos 100 biliões.

Slinky: o brinquedo clássico que nasceu por acidente

Este objeto começou por ser um resultado de um “acidente” do criador Richard Jones, um engenheiro naval. Jones estava a trabalhar com molas de tensão quando uma caiu ao chão e continuou a balançar de um lado para o outro, quase como se andasse sozinha. Foi assim surgiu o famoso Slinky, em 1943. Este brinquedo tão simples encantou as crianças durante gerações e rendeu milhões ao seu criador: só em 2012 foram vendidas 250 milhões de unidades.

Frisbee: um pedaço de plástico que vale milhões

Esta invenção foi levada a cabo por Walter Frederick Morrison, quando em 1937, no dia de Ação de Graças, ele e a sua namorada decidiram atirar a tampa de uma embalagem de pipocas um ao outro para passar tempo no jardim. Em 1955, a ideia foi vendida e o nome original surgiu das formas de tartes que os estudantes de New England utilizavam para jogar nos campus da Universidade. Em 2012, o Frisbee já tinha vendido mais de 300 milhões de unidades.

Velcro: o fecho revolucionário

O fecho de velcro é parte integrante do nosso dia-a-dia, mas já se perguntou de onde veio esta ideia tão útil? Tudo começou com George de Mestral, em 1941, quando, após viagens de caça, estava sistematicamente a retirar as sementes de Bardana da roupa e do seu cão. De forma a conseguir descobrir como é que essas sementes se conseguiam agarrar tão firmemente, decidiu observá-las no microscópio de forma a revelar as suas propriedades.

Em 1951, quando obteve a patente, Mestral decidiu passar à comercialização e criou a sua empresa Velcro SA. O nome veio de uma inspiração da junção de duas palavras francesas: velours (que significa veludo) e crochet (que significa gancho). Em 1988, o negócio evoluiu e tornou-se uma empresa internacional a render 93 milhões de dólares. Em 2012 já vendia para 40 países.

Kellogg’s Corn Flakes: um descuido que mudou o nosso pequeno-almoço

O fundador da empresa, W.K. Kellogg e o irmão, Dr. John Harvey Kellogg, revolucionaram para sempre o pequeno-almoço dos consumidores quando deixaram, sem querer, uma panela de trigo no forno durante vários dias, o que criou cereais secos e crocantes. Atualmente a Kellog’s é o maior produtor de cereais, snacks e refeições congeladas do mundo e está presente em mais de 180 países. Em 2012, a Kellogg’s gerou 2.8 biliões de dólares só nos Estados Unidos da América.

Ler Menos