Economia Pessoal

Como escolher um fornecedor de eletricidade?

23 Junho, 2017

Descobrir qual o fornecedor de eletricidade mais adequado ao seu perfil de consumo tem uma grande vantagem: vai permitir-lhe poupar uns euros na conta da luz! Saiba como fazer a escolha certa.


Passo 1: considerar passar do mercado regulado para o livre

Em Portugal operam dois tipos de mercado no que diz respeito à eletricidade: o regulado e o livre. No mercado livre, os preços são estipulados por cada comercializador, já no regulado são estabelecidos pela ERSE – a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos – e praticados pela EDP. A grande vantagem do mercado livre é que oferece preços mais competitivos. Como é o cliente que escolhe o fornecedor de energia elétrica, as várias empresas a operar concorrem entre si em preços e condições.

Mas atenção porque desde 1 de janeiro de 2013 que já não é possível contratar o serviço de eletricidade no mercado regulado. No entanto, quem tinha assinado um contrato de energia elétrica anterior à data tem duas alternativas: ou muda para o mercado livre ou continua no mesmo mercado. Se decidir manter-se no mercado regulado, tenha em conta que lhe será aplicada uma tarifa transitória com preços agravados, a definir pela ERSE.

Passo 2: saber que operadores há em Portugal

Se quer escolher o melhor fornecedor de eletricidade para si, isto é, aquele que está de acordo com as suas necessidades reais de consumo, deve consultar o site da ERSE. É aí precisamente que vai encontrar informação sobre todos os fornecedores de energia elétrica existentes em Portugal Continental. Existem atualmente 18 comercializadores para clientes domésticos no nosso país, entre os quais estão a EDP, a Galp e a Endesa. Também é disponibilizada no site informação sobre os preços da eletricidade e sobre as tarifas praticadas em 2017.

Passo 3: simular antes de escolher o fornecedor

Ler Mais

Através do site da ERSE conseguirá também utilizar um simulador para orientar a escolha do seu fornecedor com base na informação personalizada dos seus consumos: basta preencher os campos “características do fornecimento”, “indicação do consumo” e “informação de contratação”. Um conselho: não salte este passo porque ele é imprescindível para perceber se vai poupar ou não com a sua escolha!

Como alternativa pode também utilizar o simulador disponível no site da DECO. A associação pede-lhe que selecione a cidade onde vive, o tipo de serviço – neste caso será de eletricidade – e que indique se beneficia ou não da tarifa social. Em seguida pode optar por adicionar um contrato: com este dado a DECO consegue saber exatamente quanto vai poupar. Para terminar o processo deve indicar os seus hábitos de consumo.

Passo 4: contactar o fornecedor energético

O processo de mudança de fornecedor de eletricidade é bastante simples – nem precisa sair de casa! Basta entrar em contacto com a empresa que quer contratar, pedir-lhe soluções baseadas nos seus consumos atuais e a partir daí a nova empresa fica encarregue de todo o processo, incluindo cessar o contrato com o antigo operador.

A mudança de fornecedor de luz não tem quaisquer custos e leva cerca de três semanas até a transição ficar concluída. E fique descansado porque o contador não precisa de ser trocado, nem será interrompido o fornecimento de energia. Para completar o processo terá de fornecer dados como o número de contribuinte, o código de ponto de entrega que está incluído nas faturas e o número de identificação bancária, caso prefira pagar por débito direto.

Passo 6: perceber em que situações pode trocar o contador

Como já referimos, ao mudar de fornecedor de energia eléctrica não precisa de mudar de contador. Isto acontece porque o aparelho é propriedade do distribuidor de energia e não da empresa de comercialização. No entanto, há situações em que poderá ter de mudar de contador: se quiser fazer alterações ao seu perfil de consumo ou optar por uma modalidade que exija um contador próprio, aí sim terá que proceder à troca.

Passo 7: se não ficar satisfeito volte a mudar de fornecedor

Uma vez que o mercado de eletricidade foi liberalizado, poderá mudar quantas vezes quiser de operador, sem custos, já que os fornecedores não exigem fidelização. Assim, se escolheu um fornecedor de eletricidade e não está contente porque, por exemplo, está a pagar mais de luz, pode mudar a qualquer altura. Mas atenção porque se escolheu passar do mercado regulado para o livre, não pode voltar atrás na sua decisão!

Ler Menos