Economia Pessoal

Como escolher um lar de idosos?

2 Junho, 2017

Para muitos portugueses, recorrer a um lar de idosos é a melhor opção para cuidar dos seus familiares mais velhos. Entre tantas instituições públicas e privadas, como escolher a melhor?


Há 78 mil idosos a viver em lares em Portugal

Cuidar de idosos não é uma tarefa fácil, sobretudo quando estes precisam de cuidados especiais e as pessoas responsáveis por eles têm uma vida profissional e familiar preenchida. Para muitas famílias, recorrer a um lar é a melhor alternativa: de acordo com a Segurança Social, existem mais de 78 mil idosos a viver neste tipo de instituições em Portugal. Mas como escolher a melhor?

Peça referências

O primeiro passo passa por pedir referências a familiares, amigos ou colegas de trabalho que tenham passado pelo mesmo e recolher toda a informação disponível. Conhecer a experiência de outras pessoas pode ajudá-lo a fazer uma lista de possibilidades e a verificar a qualidade dos serviços prestados.

Reúna a família e definam um orçamento

Quando um idoso passa a viver num lar de terceira idade isso implica o pagamento de uma mensalidade fixa. Como tal, é importante que todos os membros da família se reúnam para perceber se as despesas serão repartidas por alguns, todos os membros ou suportadas pelo próprio idoso.

Repare ainda que há lares que oferecem serviços especializados – são por esta razão mais caros – e por isso deve escolher o estabelecimento de acordo com as necessidades reais do idoso. Só depois de tudo pesado e de ter estipulado um orçamento é que se deve considerar um lar público ou privado.

Lar público ou privado?

Ler Mais

Uma das principais diferenças entre um lar público e um privado está no preço. Embora o primeiro seja mais económico, está limitado pelo número de vagas que oferece e longas listas de espera. Já um lar privado compreende uma oferta mais vasta, mas como contrapartida pratica preços bem mais elevados. Isto significa que a escolha vai depender em grande parte da disponibilidade económica e da urgência de cada um.

A localização importa!

A localização do lar deve pesar na sua decisão: é importante que o sítio escolhido seja calmo, se situe perto de instituições de saúde e do lugar onde a pessoa viveu para que a transição seja menos dolorosa. Ou então que seja perto da residência dos seus familiares, para que as visitas sejam facilitadas e em caso de emergência cheguem o mais depressa possível. Dito isto, verifique se o lar tem facilidade de acessos ou se está servido de uma boa rede de transportes públicos.

Higiene e segurança: as grandes prioridades

As visitas são cruciais para quem pretende escolher um lar que irá acolher um ente querido. Por isso, quando visitar lares de terceira idade tenha olho clínico no que toca às infra-estruturas. Verifique se são amplas, confortáveis e se há elevador. Além disso, atente na higiene e segurança, tendo em consideração o estado dos quartos, casas-de-banho, cozinha, zona de refeições, de estar e exteriores. Deve também verificar se a alimentação é variada, adequada à idade e ao estado de saúde dos utentes.

No decorrer da ronda, aproveite ainda para ver o ambiente do lar. Nomeadamente se as pessoas parecem felizes, bem tratadas e se estão envolvidas em atividades dentro e fora da instituição. Privilegie também um sítio onde o staff é qualificado e o trato lhe pareça mais familiar, porque é fundamental que o seu familiar se sinta bem recebido e em boas mãos.

O lar oferece cuidados médicos?

É preciso perceber se o lar disponibiliza cuidados médicos, clínicos e de enfermagem. Falamos nomeadamente de oferecer consultas regulares ou de trabalhar em conjunto com médicos especialistas – neurologistas, ortopedistas, urologistas, ginecologistas, oftalmologistas, dentistas, entre outros. Isto é importante sobretudo se tiver um familiar acamado ou que precise de cuidados médicos especiais. É também essencial perceber se os idosos são devidamente acompanhados durante as consultas fora do lar.

Verifique se o lar tem funcionários suficientes

Um excelente indicador do bom funcionamento de um lar é a quantidade de pessoal contratado por cada utente. Segundo a DECO, num lar deve haver um animador social ou técnico de geriatria em regime parcial por cada 40 residentes; um enfermeiro por cada 40 utentes; um ajudante de lar por cada oito idosos; um ajudante de lar por cada 20 utentes como reforço ao período nocturno; um encarregado de serviços domésticos em estabelecimentos com capacidade igual ou superior a 40 idosos; um cozinheiro por estabelecimento; um ajudante de cozinha por cada 20 residentes; e por último um empregado auxiliar por cada 20 idosos.

Atenção ao regulamento interno, diz a DECO

A Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores relembra que os lares devem obedecer a dois requisitos muito importantes. Para começar, são obrigados a ter um regulamento interno onde constem as condições de admissão dos idosos, o preçário de todos os serviços que oferecem, as condições de acesso a outros serviços que não estejam incluídos na mensalidade, os horários das refeições, das visitas, das entradas e saídas dos utentes, bem com as regras de funcionamento.

Além disso, os proprietários dos estabelecimentos são obrigados por lei a afixar num local visível documentos como o alvará ou autorização provisória de funcionamento, mapa de pessoal e respetivos horários, nome do diretor técnico do estabelecimento, horário de funcionamento, mapa de ementas – incluindo dietas -, plano de atividades de animação social, cultural e recreativa, publicitação dos apoios financeiros da segurança social – se aplicável – e o preçário com a comparticipação familiar.

Antes de assinar, leia bem o contrato

Depois de escolhido o lar, chega a altura de assinar o contrato. A DECO informa que devem ser celebrados contratos, por escrito, de alojamento e prestação de serviços com os utentes ou os seus familiares onde devem constar as obrigações e deveres de ambas as partes. Antes de assinar, certifique-se que o documento é claro, se ficou a par de todos os custos, de todas as possibilidades financeiras e se o modelo de faturação é transparente.

Ler Menos