Radar económico

Como é que Portugal e a Europa estão em termos de poupança?

8 Março, 2017

A poupança é a semente do investimento e do crescimento económico. Será que em Portugal estamos a poupar mais ou menos do que no resto da Europa?


Portugal: as famílias poupam pouco…

O gráfico fala por si. Poupa-se cada vez menos. Desta forma é difícil estimular o investimento de forma interna. Com níveis de poupança tão baixos ao nível das famílias, a necessidade de a economia portuguesa de recorrer a financiamento externo é maior. O crescimento económico sustentado vai sendo adiado e Portugal fica numa posição de maior dependência relativamente ao exterior.

…e os suecos poupam três vezes mais do que os portugueses.

São várias as razões que explicam a acumulação de poupança, sendo que há 2 fatores decisivos: a mentalidade aforradora e o rendimento disponível que as famílias têm para consumir ou poupar. O Rendimento disponível per capita dos suecos é elevado (23.000€ em 2014). É 43% superior ao rendimento disponível per capita dos portugueses (16.000€). Se juntarmos a isto uma forte tradição de aforro, torna-se mais fácil explicar porque é que as famílias suecas têm um elevado nível de poupança.

A importância da poupança das famílias

Ler Mais

A poupança das famílias é a principal fonte interna de fundos para financiar o investimento das empresas, contribuindo por isso muito para o crescimento económico sustentado da economia. Esta poupança funciona em certa medida como os capitais próprios de um país. Quanto maior for esta poupança, menor é a necessidade que um país tem de recorrer a capitais alheios (estrangeiro) para financiar o investimento produtivo das empresas que traz crescimento e emprego. A taxa de poupança das famílias é um indicador fiável da evolução da poupança de uma economia e é medido como uma percentagem do rendimento disponível das famílias.

O que é a poupança?

Em Economia, poupar é aquilo que sobra do rendimento1 gerado por cada um de nós depois de retirarmos as despesas dedicadas ao consumo.

Há também outras formas de ver a poupança. Numa perspetiva psicológica, poupar é um comportamento de contenção, uma vez que se está a adiar o prazer que se poderia retirar do consumo/gasto imediato.

Porquê adiar o prazer de gastar no imediato? Porquê poupar?

Essencialmente porque o comportamento de poupança esconde uma recompensa maior no futuro. Quem poupa está a adiar uma satisfação imediata de necessidades, com a convicção de que no futuro essa satisfação será muito superior.

A realidade dá-nos sinais claros que faz sentido poupar algum rendimento, pois caso contrário será difícil alcançar determinados objetivos de forma equilibrada.

É com base neste sentimento que os indivíduos poupam para criar um fundo de emergência, para adquirir ou remodelar uma casa, para assegurar uma boa reforma ou para garantir um futuro mais sólido para os seus filhos.

Este raciocínio é válido para os indivíduos bem como para as economias onde essas pessoas residem.

Por que é que a poupança é tão importante para os países?

Um país que poupa é uma sociedade que no seu todo (Famílias, Empresas e Estado) não utiliza todo o rendimento gerado pela sua produção (PIB) em bens de consumo imediato.

Essa poupança vai-lhe dar mais margem de manobra para lidar com crises económicas ou para investir na estrutura produtiva e impulsionar o crescimento económico sem ter que se endividar excessivamente junto de terceiros (crédito estrangeiro).

Em última análise, um país que poupa fica mais autónomo, mais livre para decidir e para crescer de forma sólida, especialmente quando os ventos económicos são de crise.

Ler Menos