Economia Pessoal

Como rentabilizar a minha casa?

31 Outubro, 2016

Alugar a casa ou um quarto a turistas é uma boa forma de obter algum rendimento extra. Saiba como começar.


Turistas preferem cada vez mais o Alojamento Local

 Só na plataforma online Airbnb, foram cerca de 705 mil os turistas que este verão optaram por reservar uma casa ou quarto em Portugal: um crescimento que ronda os 76% em relação ao mesmo período do ano passado. Os números são reveladores de uma tendência que se sente um pouco por todo o país mas sobretudo em Lisboa, a quarta cidade europeia mais requisitada no Airbnb e que conta com cerca de 12 mil alojamentos registados na plataforma.

Mas será que compensa alugar a sua casa a turistas? Pelo crescente número de propriedades registadas como alojamento local tudo indica que sim. No entanto, antes de começar é importante que conheça não só as vantagens e desvantagens do aluguer para turismo e as plataformas que o podem ajudar a conseguir clientes, mas também a legislação em vigor, as regras e obrigações tributárias a que estará sujeito.

Um rendimento extra para os proprietários

Spacious room with sleeping and study area.

Tendo em consideração que Portugal é um destino cada vez mais procurado para visitar, tomar a decisão de alugar a sua casa poderá ser uma boa forma de obter um rendimento mensal extra, que poderá ser utilizado para viajar, fazer obras em sua casa ou, simplesmente, com o fim de poupar para o futuro.

Se dispuser de um apartamento desocupado esta é, sem dúvida, uma boa aposta: não só está a dar uma utilidade ao imóvel como está a pô-lo a render. Aliás, o crescente interesse pelo alojamento local tem sido um grande responsável pela reabilitação de muitas propriedades que de outra forma estariam desocupadas ou até mesmo abandonadas.

Caso se trate de uma casa habitada, existe também a opção de alugar apenas parte da mesma: um quarto, por exemplo. Neste caso, conte com alguns inconvenientes, como um decréscimo da privacidade dos proprietários ou um maior desconforto gerado por uma eventual discrepância de horários e rotinas.

Legislação, regras e impostos: Tudo o que precisa de saber

Ler Mais

Desde 2014 que é mais fácil alugar a sua casa a turistas, graças a uma legislação mais amiga dos proprietários. As novas regras vieram simplificar o processo de registo como alojamento local, pelo que atualmente qualquer proprietário pode fazê-lo através do Balcão Único Eletrónico, preenchendo as informações pedidas sobre a casa, bem como alguns documentos de identificação. Depois de concluído este processo eletrónico, é-lhe atribuído um número de registo e poderá começar a receber hóspedes de imediato.

Não se esqueça que, ao estar registado como Alojamento Local, o seu imóvel pode ser alvo de inspeções e vistorias, quer por parte da Câmara Municipal e do Turismo de Portugal quer por entidades como a ASAE. É, por isso, importante que a casa que pretende pôr a alugar cumpra algumas regras básicas exigidas pela legislação em vigor, nomeadamente ter água corrente quente e fria, ter janelas para o exterior, ter mobílias, utensílios e equipamentos básicos à disposição dos hóspedes, ter garantias de higiene e estar em bom estado de conservação geral.

E em matéria de impostos? Atualmente, são tributados 15% dos rendimentos obtidos com o aluguer temporário da sua casa a turistas. No entanto, prepare-se para pagar mais já no próximo ano: o Orçamento de Estado para 2017 prevê um agravamento nos impostos sobre o alojamento local, ao aumentar a percentagem de rendimento tributável para 35%. Ainda assim, uma tributação bem inferior à do aluguer permanente, a qual abrange a totalidade do rendimento obtido.

Afinal, compensa ou não alugar a sua casa a turistas?

Calcular quanto vai pagar de impostos é fundamental para determinar se alugar a sua casa a turistas é ou não um negócio rentável para si. Mas há outras despesas que devem entrar nas suas contas: gastos previstos com eletricidade, gás, luz e serviços de limpeza, o pagamento de anúncios online, a substituição de equipamentos ou a necessidade de fazer obras podem ditar se compensa ou não investir no arrendamento temporário.

Tempo também é dinheiro e o negócio do aluguer de imóveis vai exigir sempre algumas horas de dedicação da sua parte. Para além de todo o processo de registo do alojamento e da colocação dos anúncios nas várias plataformas online, deve garantir que tem disponibilidade para fazer o check-in e check-out de todos os hóspedes, incluindo os serviços de limpeza. Caso não tenha tempo, deverá assegurar-se de que alguém o pode fazer por si, ou mesmo contratar uma pessoa ou empresa especializada.

Além disso, é importante que faça uma boa gestão dos seus anúncios e das reservas e que responda aos pedidos de informação que lhe chegam, bem como a comentários e reviews nos sites onde a sua casa está anunciada. Da mesma maneira, deverá tentar manter um contacto próximo com os seus hóspedes, de forma a refletir-se positivamente nesses mesmos comentários.

Mostre-se disponível não só para esclarecer questões relativamente ao funcionamento de algo na casa, mas também para facultar algumas sugestões em relação ao que visitar, onde comer, como se deslocar na cidade, entre outras. Todas estas tarefas vão ocupar algum do seu tempo, mas são fundamentais para que tenha cada vez mais hóspedes e, assim, consiga rentabilizar ao máximo a sua casa.


O Economia à Sua Medida é uma iniciativa do Banco Finantia. Saiba mais.

Ler Menos