Economia Pessoal

Vai comprar um carro usado? Saiba como fazer um bom negócio

28 Outubro, 2016

Comprar um carro em segunda mão pode ser uma excelente oportunidade, mas há que ser cauteloso para não fazer um mau negócio.


Defina o orçamento e de que tipo de carro precisa

Antes de mais, para não perder tempo desnecessariamente, deve estabelecer um objetivo, nomeadamente em relação ao carro que quer comprar e ao orçamento que tem. Quer um carro pequeno? Uma carrinha? Ou só lhe interessam jipes? Quer gastar até 2 mil euros? Ou pode ir até aos 10 mil? Todas estas são questões importantes, para que não dê por si desorientado a meio do processo de pesquisa do seu futuro carro.

Utilize a Internet para sondar o mercado

Uma vez definido o orçamento e o tipo de carro que pretende comprar, deve “perder” algum tempo a analisar os preços que se praticam no mercado. Existem vários sites e aplicações para smartphone de compra e venda de carros usados na internet onde poderá pesquisar com os seus critérios e ficar a saber os preços médios para o carro que procura ou, se for o caso, que carros existem para o seu orçamento.

Comprar num stand ou a um particular?

Verkufer und Kunde im Verkaufsgesprch in einem AutohausEsta é uma questões que mais divide quem procura um carro usado. Quais são as vantagens e as desvantagens?

Num stand, os automóveis usados costumam estar em melhor estado de conservação geral para além de poderem incluir uma garantia de até dois anos. No entanto, prepare-se para pagar um pouco mais do que a um particular, já que nos stands os usados são tendencialmente mais caros. Por outro lado, também costuma ser possível nos stands comprar o carro a crédito.

Ler Mais

Já os particulares podem ser mais flexíveis nos preços e mais abertos à negociação. O pior é que não existem garantias ou a possibilidade de financiamento que os stands costumam oferecer.

Quer opte por comprar a um particular ou num stand, é fundamental que faça uma pequena lista com uma seleção de três a cinco vendedores a contactar. De outra forma, e com a variedade de oferta que existe atualmente, esta tarefa poderá tornar-se demasiado exaustiva e até pouco produtiva. Comece por visitar os estabelecimentos e contactar os vendedores que mais lhe interessaram: se à medida que fizer esses contactos sentir necessidade, poderá ir acrescentando outras opções.

 Conheça a história do carro e experimente-o

 Quando se encontrar com um vendedor, pergunte-lhe tudo o que ele sabe sobre o carro: quantos quilómetros tem, quantos proprietários teve, que acidentes e avarias já sofreu, que tipo de uso teve anteriormente (uso esporádico, diário, carro de trabalho, etc.), como tem sido o seu desempenho ultimamente, bem como os consumos médios, por que está à venda (no caso de venda particular) Se algo lhe parecer estranho, como a quilometragem, pode e deve pedir explicações: não seria a primeira vez que um proprietário adulterava o conta-quilómetros antes de o vender.

Muito importante nesta fase inicial é também solicitar sempre o livro de revisões e de inspeções e verifique se existe alguma anomalia relevante.

Antes de entrar no carro observe-o bem

Dedique algum tempo a vê-lo por fora, observando o estado dos pneus, da pintura e dos faróis, bem como da chapa da matrícula, para não falar de possíveis mossas. Também pode valer a pena olhar para debaixo do carro, apenas para confirmar que não existe nenhuma peça estranhamente fora do sítio ou algum líquido derramado no chão: estes podem ser maus sinais que deve investigar.

Agora que está dentro do carro, não faça cerimónia

Lembre-se: se está a comprar um carro, não pode fazer cerimónia em experimentar tudo o que quiser, mesmo antes de ligar o carro. Peça autorização e experimente trancar/destrancar o carro com a chave automática, experimente também os manípulos das portas por dentro e por fora, bem como os ajustes dos bancos e ainda todos os cintos de segurança. Preste ainda atenção ao sistema de ventilação e ao ar condicionado, ao rádio e todos os botões do tablier, e não se esqueça de conferir todas as luzes no painel de avisos. Já agora, veja quão confortável se sente no banco e procure uma boa posição para a condução. Ao ligar o carro, esteja atento a todos os sons e se lhe parecer ouvir algum ruído estranho, não hesite em perguntar de que se trata.

Test Drive: Chegou o momento de conduzir o carro

Em seguida experimente conduzir e veja se se sente confortável e seguro. É essencial ter sensibilidade para detetar o estado da embraiagem e da caixa de mudanças (suave ou demasiado resistente), a eficácia dos travões – peça licença e experimente uma travagem mais brusca numa reta com espaço – da direção – verifique se o carro tende a desviar-se para um dos lados quando larga o volante, idealmente testando com uma travagem sem as mãos no volante.

Traga um amigo também

Tudo isto lhe parece demasiado complicado? Não se preocupe, peça ajuda a um amigo ou familiar que tenha mais sensibilidade para o assunto e leve-o consigo. Para além de serem mais olhos a observar, pode ajudar a afastar vendedores mal-intencionados.

Já tem um carro em vista? Peça uma avaliação técnica especializada

Melhor do que conhecer a história do automóvel e inspecioná-lo bem por dentro e por fora é confirmar com um especialista se, de facto, o carro se encontra em bom estado. Por isso, se já tem uma viatura usada em vista para comprar, peça ao seu mecânico de confiança para fazer uma pequena revisão antes de tomar a decisão final.

Em alternativa, poderá sempre recorrer a oficinas e empresas que prestam este tipo de serviço e pedir para fazer um check-up ao automóvel antes de fechar o negócio com o atual proprietário. Há problemas ou avarias que passam completamente despercebidas mesmo ao observador mais atento, pelo que optar por uma revisão profissional antes de efetivar a compra é a melhor forma de ter algumas garantias quanto ao estado do carro e evitar dissabores que lhe podem sair caros.

Está decidido a fazer a compra? Questões legais que não pode ignorar

Para começar, verifique se o vendedor é, de facto, o proprietário do automóvel e se não existe nenhum aspeto que impossibilite a venda – uma hipoteca associada ao veículo e decorrente de um crédito automóvel, por exemplo. Esta informação está disponível no Documento Único Automóvel.

Da mesma forma, é importante dirigir-se à Conservatória do Registo Automóvel para verificar se existe algum processo de penhora do veículo, bastando para isso apresentar a matrícula. Assim terá a certeza que está a fazer uma compra segura e evitará chatices mais tarde.

Por último, garanta que a declaração de venda (requerimento de registo automóvel) é assinada em conformidade pelo proprietário ou seu representante legal, já que é com este documento que fará a alteração da propriedade para o seu nome na Conservatória.

Ler Menos