Saúde

Sistema Urinário: mantenha os seus filtros a funcionar

30 Junho, 2016

A cada hora que passa, sem se aperceber, os seus rins já filtraram 15 vezes a corrente sanguínea. Como é que o sistema urinário consegue fazer isto?


Porque sentimos vontade de ir “à casa de banho”?

 Com a forma de um feijão e do tamanho de um punho, os rins têm de cumprir 24 horas sobre 24 horas funções vitais ao organismo: filtram e limpam diariamente 180 litros de sangue através dos milhares de túbulos que os compõem. Após a eliminação dos resíduos tóxicos, os rins unem então esforços para produzir a urina, que no momento certo fluirá pelo uréter até à bexiga. É neste músculo que fica armazenada enquanto não é conduzida ao exterior através de um outro canal, a uretra.

É aqui que entra a chamada vontade de “ir à casa de banho”. Como? Ora, durante este processo o sistema urinário conta com a ajuda de um poderoso aliado, o cérebro. Quando a capacidade máxima da bexiga é atingida, o sistema nervoso central, em conjunto com o sistema nervoso periférico, dá-lhe ordens internas diretas para que se proceda naturalmente ao esvaziamento, ou seja, ao ato de urinar.

Sabia que num adulto a distensão do músculo da bexiga pode variar entre os 650 e 800 mililitros, o que equivale aproximadamente a dois copos de água totalmente cheios?

O sistema urinário na mulher e no homem

O sistema urinário na mulher e no homem

Falha nos rins: um problema silencioso

Ler Mais

Em Portugal, uma em cada dez pessoas sofre de doença renal crónica e anualmente são registados 2.500 novos casos de insuficiência renal crónica terminal. Além disso, cerca de 16 mil dos doentes diagnosticados encontram-se em tratamento para receber um transplante de rim.
O funcionamento dos rins pode ser afetado por uma série de fatores internos e externos, como a idade ou os maus hábitos alimentares. Quando a situação é tão grave que os rins não conseguem cumprir a sua principal tarefa, acumulam-se substâncias indesejadas na corrente sanguínea, o que pode levar à intoxicação de todo o organismo.

Para garantir a sua saúde renal, é importante estar atento a todos os sinais que possam parecer suspeitos. A hipertensão é um deles, visto que os rins são também responsáveis pela produção de hormonas essenciais à regulação da tensão arterial. Começar a urinar com maior frequência durante a noite (nictúria), fadiga, surgimento de urina com espuma, falta de apetite, náuseas e vómitos são, de acordo com a Sociedade Portuguesa de Nefrologia, outros sintomas associados a uma insuficiência renal.

O tabu da incontinência urinária

 Vergonha e isolamento social são as principais consequências de outra doença muito comum no trato urinário, a incontinência urinária. Esta afeta em média 40% das mulheres portuguesas e estima-se que uma larga percentagem do sexo masculino sofra ainda em silêncio. No entanto, o que a maioria das pessoas desconhece é que 90% dos casos são reversíveis.

Há dois tipos de incontinência, a de urgência e a de esforço. A primeira manifesta-se pela vontade súbita e incontrolável de urinar, podendo estar relacionada com o envelhecimento ou, numa faixa etária mais jovem, a doenças do foro neurológico. A incontinência urinária de esforço surge como consequência da fragilidade dos músculos pélvicos que suportam a bexiga e a uretra e é por isso muito comum em mulheres entre os 45 e os 65 anos: nestes casos, tossir, saltar, correr, espirrar ou levantar pesos são simples tarefas que aumentam a pressão abdominal e fazem com que o esfíncter perca a força deixando escapar pequenas gotas de urina.

Exercitar os músculos pélvicos, treinar a bexiga (muito indicada no caso de incontinência de urgência), submeter-se à eletroestimulação ou a uma cirurgia de correção são os principais tratamentos recomendados pelos especialistas.

Já bebeu água hoje?

Sempre ouvimos dizer que a água é fonte de vida e no caso do sistema urinário o dito é bem verdade! Beber entre 1,5 e 2 litros de água por dia não só facilita a tarefa de filtração dos rins como é essencial para repor os níveis que o seu organismo perde no processo diurético. Afinal, a urina é composta em média por 95% de água, 2% de ureia e nos restantes 3% pode ser encontrado ácido úrico, potássio, sódio, cálcio, magnésio, fosfato, entre outros elementos.

Assim sendo, deve verificar regularmente a cor da urina porque esta indica se está corretamente hidratado ou não. De acordo com a maioria dos especialistas, esta deve ter uma cor “amarela clara”, que lhe é conferida pela substância urobilina.

Não basta apenas garantir que bebe água suficiente ao longo do dia: o funcionamento do sistema urinário e a sua influência no resto do organismo tem muito mais que se lhe diga. Será que comer carne ou peixe é benéfico? Beber vinho, chá ou café estimulam a filtração dos rins? Será que beber demasiada água pode ser prejudicial à saúde? As respostas podem surpreendê-lo.

Ler Menos